1. Colunas
  2. Arimatéia Azevedo
  3. O breu do Brasil
Publicidade

O breu do Brasil

O Brasil vive um apagão de liderança, menos pela quantidade de pessoas nesta posição, e mais pela (má) qualidade de quem ocupa lugar fundamental na governança do país. O povo está, por assim dizer, como cego em tiroteio – e que tiroteio. O presidente da República, a quem caberia o papel de ser o coordenador de ações orientadas para uma saída segura de uma crise sanitária sem precedentes, que jogou a economia na lama, tem mostrado mais talento para ser um bombeiro que apaga fogo com gasolina. Os governadores, sem uma resposta possível de Brasília, falam cada um uma língua, embora todos eles estejam diante de um problema comum; e os prefeitos, esses são a base dessa babel de insensatez. O resultado disso é que já está terminando o terceiro mês de medidas restritivas a fluxo de pessoas e de atividades econômicas e não há uma única certeza de quão seguro ou não é a retomada de uma vida minimamente normal. O custo social e econômico dessa desorganização vai ser brutal. Poderá, sim, resultar em perdas políticas sem precedentes para todos os atores envolvidos no processo, com consequências imprevisíveis, de verdade, não aquelas citadas em tom de bravata pelo general aposentado Augusto Heleno. Mas antes de olhar para o incerto futuro político de muitos, sobretudo dos que o futuro vai cobrar por suas ações ou pela falta delas, cumpre lembrar que o futuro mais próximo, quando da retomada  da vida social e econômica do país, não será dos melhores. Há um custo que se estenderá por toda a sociedade e poderá recair, sobretudo, sobre os mais pobres. Nessa hora, se o governo mantiver a inépcia e o voluntarismo tolo dos tempos atuais, será possível prever sem muito esforço uma queda no abismo eleitoral. Isso se alguém não providenciar uma queda antes. E todos sabem do que se está falando.

Humorista Whindersson Nunes vai homenagear o também humorista Dirceu Andrade dando seu nome a um teatro

Limpeza geral

Tem gente com poder na região Sul do Estado indo ao governador Wellington Dias para pedir urgente remoção para trabalhos burocráticos na capital de policiais militares de algumas cidades do Piauí.
A urgência é para a retirada da soldadesca de Simplício Mendes. Só ao governador e, certamente ao comandante geral, Lindomar Castilho, serão narrados os motivos.

Ah...

Ontem, um oficial da PM informava a este jornalista que o comando geral vai abrir procedimento administrativo para investigar a informação de que objetos apreendidos em Simplício Mendes não vão para a delegacia de Polícia, mas para a companhia da PM.
E que são devolvidos aos donos por meio do irmão de vereador.

Kleber candidato

Kleber Montezuma deixou a Secretaria Municipal da Educação e, em que pesem especulações sobre tucanos terem um plano B chamado Washington Bonfim, no Palácio da Cidade a disposição é de manter a rota original da campanha, traçada antes da pandemia de covid-19, que trouxe protagonismo ao ex-secretário municipal de Planejamento.

Samuel

Com a saída de Samuel Silveira, que retornou à Câmara Municipal, a Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Política Integradas, foi entregue a Janaína Lucélia Carvalho.
A nomeação saiu ontem.

Aulas presenciais

O decreto que estabelece o regime de trabalho remoto para professores da rede municipal de ensino determina que as aulas presenciais ficam suspensas até 30 de junho.

Teatro Dirceu

O humorista Dirceu Andrade vai virar nome de teatro em Teresina por iniciativa do youtuber Whindersson Nunes.
Ao anunciar a casa de espetáculos com 700 lugares, o humorista disse que quer homenagear Dirceu Andrade, “humorista piauiense que admiro muito e não vou esperar ninguém morrer pra homenagear depois de morto não, é vivo e pronto.”

Baixa, baixa!

Mais de três em cada quatro brasileiros (78%) consideram importante a proibição de aumento de salário de parlamentares. Apenas 6% avaliam a iniciativa como pouco importante, enquanto 13% consideram nada importante e 2% não souberam ou preferiram não responder.
Os números são de uma pesquisa do DataSenado realizada entre os dias 27 e 29 de maio, quando foram ouvidas 1.200 pessoas.

Retorno

O deputado federal Fábio Abreu deixou a pasta da Segurança. Vai tentar ser prefeito de Teresina.
Abreu acomodou na cadeira que ocupava o ex-comandante da PM, coronel Rubens Pereira.

Tá mal, João!

Outro que saiu do secretariado foi Fábio Novo. Ele deixou a Secretaria de Cultura e voltou para a Assembleia Legislativa, pois pretende ser candidato do PT à Prefeitura de Teresina.
Novo voltou e deixou sem mandato o suplente João de Deus Sousa, que chegou a ser cotado para a Secult, mas foi vetado pelos artistas.

Corrente

Filemon Nogueira Paranaguá deixou cargo de Diretor de Agropecuária da Secretaria de Agronegócio.
Periga ser candidato a qualquer coisa lá pelas bandas de Corrente.

Agronegócio

Simone Pereira Farias Araújo, que respondia pela Secretaria de Agronegócio, também bateu em retirada. Saiu a pedido para ser candidata à prefeitura pelo PSD, mas se o partido pender para uma coligação com Firmino ou Wellington Dias, apoiando os cabeças de chapa deles, Simone pode sair  candidata à Câmara Municipal de Teresina, na mesma área onde disputa votos o vereador Ítalo Barros, na região da Socopo, zona Leste de Teresina.

Latifúndio

A Secretaria de Agronegócio, que faz de festa a calçamento, permanece sob domínio do  deputado federal Júlio César Lima e do filho dele, Georgiano Neto. Eles devem informar ao governador o nome que querem para o cargo.
A coluna sabe, mas vai esperar que eles mesmos divulguem.

Fabíola

Fábio Novo é ainda uma possibilidade de candidatura petista à Prefeitura de Teresina, mas a professora Fabíola Lemos é candidata forte à Câmara Municipal de Teresina pelo PT.
Ela deixou um cargo comissionado na Secretaria da Educação para buscar o mandato de vereadora.

Outras disputas

Na eleição passada, com a cara e a coragem, teve 7.964 votos para deputada federal. E dois anos antes, para vereador, ficou com 2.340 votos – mais que Fábio Dourado, eleito vereador pelo PEN, com 1.758 votos.

Pedro II

A ex-prefeita de Pedro II, Neuma Café, vai ser candidata novamente ao cargo. Periga desalojar do cargo o atual prefeito, Alvimar Andrade, que não é das pessoas mais populares.
Neuma, que perdeu a última eleição para Alvimar, dirigia um hospital estadual até o começo desta semana e tem relações políticas com o deputado Assis Carvalho.

Quem diz a verdade?

Olha só essa: o deputado estadual Gustavo Neiva (PSB) líder da oposição, quer saber quem diz a verdade sobre ganhos do estado com a reforma da Previdência.
Nas contas do governador Wellington Dias (PT), em cuja boca números são fermentados, tem-se uma economia de R$ 1 bilhão.
Mais módica, a Previdência estadual trabalha com R$ 200 milhões.

No vermelho

Seja como for, mesmo com a reforma que tungou uma grana dos aposentados e pensionistas do estado em plena pandemia da covid-19, neste ano a Previdência estadual vai fechar no vermelho.
O rombo pode até ser maior, mas está longe de o déficit ser pequeno.

Rodovias

O governo estadual quer pegar um pouquinho mais de dinheiro emprestado. E com rapidez, porque foi pedida urgência na tramitação do projeto de lei que pede autorização para um empréstimo de R$ 83 milhões ao Banco Regional de Brasília.
O governo quer o dinheiro para obras rodoviárias.

Arriba!

Deputados estaduais do Piauí atenderam pedido do colega Francisco Costa (PT) e aprovaram uma “moção de aplauso” à médica florianense Marina Bucar Barjud “pelos relevantes serviços prestados à saúde pública do Estado e do mundo”.
Marina Bucar trabalha na Espanha.

Ping-Pong 
A gente fala português

Wellington Dias vai a Brasília acompanhar o registro da candidatura de Lula (que está preso, em Curitiba) como candidato a presidente da República. Fica a expectativa de, sendo Lula impugnado, Fernando Haddad, como vice, assume a condição de candidato a presidente. Um jornalista puxa conversa com o governador.

O jornalista: “O Haddad saberá falar com o povo nordestino?”
Wellington: “Sim. Lá a gente também fala português”.

Originalmente publicada em 16 de agosto de 2018.

Expressas 

Dom Jacinto Brito, arcebispo de Teresina, tem usado cada vez mais as transmissões pela internet para celebrações católicas.

Lei municipal sancionada nesta semana criou a Semana do Primeiro Emprego em Teresina, a ocorrer na última semana do mês de outubro.

A deputada Joice Hasselmann (PLS-SP) foi acusada de espalhar fake-news. Isso deve ser pouca coisa para quem já foi acusada e processada por plagiar textos jornalísticos.

O Brasil vive um apagão de liderança, menos pela quantidade de pessoas nesta posição, e mais pela (má) qualidade de quem ocupa lugar fundamental na governança do país. O povo está, por assim dizer, como cego em tiroteio – e que tiroteio. O presidente da República, a quem caberia o papel de ser o coordenador de ações orientadas para uma saída segura de uma crise sanitária sem precedentes, que jogou a economia na lama, tem mostrado mais talento para ser um bombeiro que apaga fogo com gasolina. Os governadores, sem uma resposta possível de Brasília, falam cada um uma língua, embora todos eles estejam diante de um problema comum; e os prefeitos, esses são a base dessa babel de insensatez. O resultado disso é que já está terminando o terceiro mês de medidas restritivas a fluxo de pessoas e de atividades econômicas e não há uma única certeza de quão seguro ou não é a retomada de uma vida minimamente normal. O custo social e econômico dessa desorganização vai ser brutal. Poderá, sim, resultar em perdas políticas sem precedentes para todos os atores envolvidos no processo, com consequências imprevisíveis, de verdade, não aquelas citadas em tom de bravata pelo general aposentado Augusto Heleno. Mas antes de olhar para o incerto futuro político de muitos, sobretudo dos que o futuro vai cobrar por suas ações ou pela falta delas, cumpre lembrar que o futuro mais próximo, quando da retomada  da vida social e econômica do país, não será dos melhores. Há um custo que se estenderá por toda a sociedade e poderá recair, sobretudo, sobre os mais pobres. Nessa hora, se o governo mantiver a inépcia e o voluntarismo tolo dos tempos atuais, será possível prever sem muito esforço uma queda no abismo eleitoral. Isso se alguém não providenciar uma queda antes. E todos sabem do que se está falando.

Humorista Whindersson Nunes vai homenagear o também humorista Dirceu Andrade dando seu nome a um teatro

Limpeza geral

Tem gente com poder na região Sul do Estado indo ao governador Wellington Dias para pedir urgente remoção para trabalhos burocráticos na capital de policiais militares de algumas cidades do Piauí.
A urgência é para a retirada da soldadesca de Simplício Mendes. Só ao governador e, certamente ao comandante geral, Lindomar Castilho, serão narrados os motivos.

Ah...

Ontem, um oficial da PM informava a este jornalista que o comando geral vai abrir procedimento administrativo para investigar a informação de que objetos apreendidos em Simplício Mendes não vão para a delegacia de Polícia, mas para a companhia da PM.
E que são devolvidos aos donos por meio do irmão de vereador.

Kleber candidato

Kleber Montezuma deixou a Secretaria Municipal da Educação e, em que pesem especulações sobre tucanos terem um plano B chamado Washington Bonfim, no Palácio da Cidade a disposição é de manter a rota original da campanha, traçada antes da pandemia de covid-19, que trouxe protagonismo ao ex-secretário municipal de Planejamento.

Samuel

Com a saída de Samuel Silveira, que retornou à Câmara Municipal, a Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Política Integradas, foi entregue a Janaína Lucélia Carvalho.
A nomeação saiu ontem.

Aulas presenciais

O decreto que estabelece o regime de trabalho remoto para professores da rede municipal de ensino determina que as aulas presenciais ficam suspensas até 30 de junho.

Teatro Dirceu

O humorista Dirceu Andrade vai virar nome de teatro em Teresina por iniciativa do youtuber Whindersson Nunes.
Ao anunciar a casa de espetáculos com 700 lugares, o humorista disse que quer homenagear Dirceu Andrade, “humorista piauiense que admiro muito e não vou esperar ninguém morrer pra homenagear depois de morto não, é vivo e pronto.”

Baixa, baixa!

Mais de três em cada quatro brasileiros (78%) consideram importante a proibição de aumento de salário de parlamentares. Apenas 6% avaliam a iniciativa como pouco importante, enquanto 13% consideram nada importante e 2% não souberam ou preferiram não responder.
Os números são de uma pesquisa do DataSenado realizada entre os dias 27 e 29 de maio, quando foram ouvidas 1.200 pessoas.

Retorno

O deputado federal Fábio Abreu deixou a pasta da Segurança. Vai tentar ser prefeito de Teresina.
Abreu acomodou na cadeira que ocupava o ex-comandante da PM, coronel Rubens Pereira.

Tá mal, João!

Outro que saiu do secretariado foi Fábio Novo. Ele deixou a Secretaria de Cultura e voltou para a Assembleia Legislativa, pois pretende ser candidato do PT à Prefeitura de Teresina.
Novo voltou e deixou sem mandato o suplente João de Deus Sousa, que chegou a ser cotado para a Secult, mas foi vetado pelos artistas.

Corrente

Filemon Nogueira Paranaguá deixou cargo de Diretor de Agropecuária da Secretaria de Agronegócio.
Periga ser candidato a qualquer coisa lá pelas bandas de Corrente.

Agronegócio

Simone Pereira Farias Araújo, que respondia pela Secretaria de Agronegócio, também bateu em retirada. Saiu a pedido para ser candidata à prefeitura pelo PSD, mas se o partido pender para uma coligação com Firmino ou Wellington Dias, apoiando os cabeças de chapa deles, Simone pode sair  candidata à Câmara Municipal de Teresina, na mesma área onde disputa votos o vereador Ítalo Barros, na região da Socopo, zona Leste de Teresina.

Latifúndio

A Secretaria de Agronegócio, que faz de festa a calçamento, permanece sob domínio do  deputado federal Júlio César Lima e do filho dele, Georgiano Neto. Eles devem informar ao governador o nome que querem para o cargo.
A coluna sabe, mas vai esperar que eles mesmos divulguem.

Fabíola

Fábio Novo é ainda uma possibilidade de candidatura petista à Prefeitura de Teresina, mas a professora Fabíola Lemos é candidata forte à Câmara Municipal de Teresina pelo PT.
Ela deixou um cargo comissionado na Secretaria da Educação para buscar o mandato de vereadora.

Outras disputas

Na eleição passada, com a cara e a coragem, teve 7.964 votos para deputada federal. E dois anos antes, para vereador, ficou com 2.340 votos – mais que Fábio Dourado, eleito vereador pelo PEN, com 1.758 votos.

Pedro II

A ex-prefeita de Pedro II, Neuma Café, vai ser candidata novamente ao cargo. Periga desalojar do cargo o atual prefeito, Alvimar Andrade, que não é das pessoas mais populares.
Neuma, que perdeu a última eleição para Alvimar, dirigia um hospital estadual até o começo desta semana e tem relações políticas com o deputado Assis Carvalho.

Quem diz a verdade?

Olha só essa: o deputado estadual Gustavo Neiva (PSB) líder da oposição, quer saber quem diz a verdade sobre ganhos do estado com a reforma da Previdência.
Nas contas do governador Wellington Dias (PT), em cuja boca números são fermentados, tem-se uma economia de R$ 1 bilhão.
Mais módica, a Previdência estadual trabalha com R$ 200 milhões.

No vermelho

Seja como for, mesmo com a reforma que tungou uma grana dos aposentados e pensionistas do estado em plena pandemia da covid-19, neste ano a Previdência estadual vai fechar no vermelho.
O rombo pode até ser maior, mas está longe de o déficit ser pequeno.

Rodovias

O governo estadual quer pegar um pouquinho mais de dinheiro emprestado. E com rapidez, porque foi pedida urgência na tramitação do projeto de lei que pede autorização para um empréstimo de R$ 83 milhões ao Banco Regional de Brasília.
O governo quer o dinheiro para obras rodoviárias.

Arriba!

Deputados estaduais do Piauí atenderam pedido do colega Francisco Costa (PT) e aprovaram uma “moção de aplauso” à médica florianense Marina Bucar Barjud “pelos relevantes serviços prestados à saúde pública do Estado e do mundo”.
Marina Bucar trabalha na Espanha.

Ping-Pong 
A gente fala português

Wellington Dias vai a Brasília acompanhar o registro da candidatura de Lula (que está preso, em Curitiba) como candidato a presidente da República. Fica a expectativa de, sendo Lula impugnado, Fernando Haddad, como vice, assume a condição de candidato a presidente. Um jornalista puxa conversa com o governador.

O jornalista: “O Haddad saberá falar com o povo nordestino?”
Wellington: “Sim. Lá a gente também fala português”.

Originalmente publicada em 16 de agosto de 2018.

Expressas 

Dom Jacinto Brito, arcebispo de Teresina, tem usado cada vez mais as transmissões pela internet para celebrações católicas.

Lei municipal sancionada nesta semana criou a Semana do Primeiro Emprego em Teresina, a ocorrer na última semana do mês de outubro.

A deputada Joice Hasselmann (PLS-SP) foi acusada de espalhar fake-news. Isso deve ser pouca coisa para quem já foi acusada e processada por plagiar textos jornalísticos.

Estamos sob censura 30 Alhos com bugalhos