1. Colunas
  2. Arimatéia Azevedo
  3. Conversa sem rumo
Publicidade

Conversa sem rumo

O bate-boca por redes sociais entre o governador do Piauí, Wellington Dias (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) evidencia que brasileiro de uma forma geral está perdido na tormenta sanitária em que foi metido, exatamente pela falta de um diálogo entre os três níveis de governo. Bolsonaro segue, até onde pode, encontrando em medidas de bloqueio epidemiológico e sanitário, as razões para a grave crise econômica em que o país está metido. Fez disso a desculpa perfeita para o fracasso da gestão da economia, entregue por ele a um ministro que imagina ser possível conduzir a economia com os mesmos fundamentos usados para um fundo de investimentos, ou seja, que deseja ter lucros, uma tolice gigantesca, porque o estado não é para produzir ganhos financeiros, mas ganhos de qualidade de vida – e isso o atual governo não entregou nem antes, tampouco durante a pandemia. É certo que não conseguirá entregar bons resultados após a tormenta, quando se espera a bonança. Os resultados positivos não virão porque o governo simplesmente não fez o que lhe é devido fazer. As reformas propostas ou foram tímidas demais ou não andaram um milímetro porque logo Bolsonaro se tornou refém de um Congresso que só vota em troca de alguma coisa. Nem um orçamento fiscalmente responsável o governo de Bolsonaro conseguiu produzir em 2021, deixando que a lei orçamentária virasse uma colcha de retalhos de interesses que não são os do país, mas os de corporações parlamentares que sequestraram as dotações orçamentárias. Em meio a tudo isso, quando todos enxergavam na vacinação um passaporte para sair do furacão sanitário, Bolsonaro, como um quixote às avessas, duela com moinhos de vento. O resultado é que o país está longe de retomar a normalidade para que volte a funcionar a sua mais importante cadeia econômica (a de serviços) e o presidente, para compensar sua ruinosa gestão vai escalando inimigos para duelar a cada dia. Fez isso com um governador de um estado periférico, com 0,7% do PIB do país. Uma pena que perca o tempo dele com rusgas contraproducentes. Pena mesmo, porque o tempo do presidente da República, que vale ouro, é pago com dinheiro dos pagadores de impostos.

Na reforma administrativa, Dr. Pessoa divide superintendência em duas e dá ao MDB (Foto: Rômulo Piauilino / PMT)

Só isso?

O jornalista Petrus Evelin publica na página ‘O Piauiense’, no Instagram, uma informação inquietante de que alguns salários de trabalhadores de saúde chegam a ser a risível quantia de R$ 83,00.

Forma de pagar

Explica que a nova gestão da Prefeitura de Teresina mudou a forma de pagamento dos profissionais da saúde contratados.
O valor em questão teria sido recebido por um fisioterapeuta da UPA do Promorar.

Indo embora

Além disso - diz a matéria - quem é contratado não tem direito a insalubridade, férias e outras vantagens dos concursados.
Isso estaria levando muitas pessoas a pedir demissão.
Fala aí, Gilberto!

Sim, cadê o teu?

Não deve ser vista como injusta a cobrança que Bolsonaro fez para Wellington Dias complementar o auxílio emergencial. Afinal de contas, o governador tem dito ao distinto público pagante de impostos que há um programa bilionário de investimentos no estado.
Ou seja, dinheiro não parece ser um problema.

O oxílio do Uelto

Em resposta à cobrança de Bolsonaro, o governador informou estar liberando R$ 40 milhões de recursos próprios do Piauí para auxílio emergencial à população carente, sem emprego e renda.
Um pingo d’água perto dos R$ 44 bilhões que a União vai gastar com sua ajuda financeira aos muito pobres.

Fazendo de conta

O governador já avisou que vai dar uma ajuda financeira em espécie, em duas parcelas, ao pessoal da área de hotéis e restaurantes. Mas só para quem está há seis meses na rua da amargura.
No discurso do governador não tinha essa discriminação

Então...

Quem perdeu o emprego num intervalo de tempo maior fica a ver navios.
Neste caso, cabe a frase de Wellington Dias ao cobrar maior valor do auxílio emergencial a Bolsonaro: a fome não tira férias aqui também.

Irresponsabilidade

O Brasil é um país que desmoraliza o planejamento ao mesmo tempo em que trabalha para não conhecer a si mesmo.
Um exemplo disso foi a patacoada do Congresso Nacional ao reduzir para ridículos R$ 70 milhões o dinheiro do Censo Demográfico, feito pelo IBGE. Só um país de gente irresponsável é capaz de uma medida absurda como essa.

CadÚnico

Outra coisa que não dá para compreender é como os municípios não conseguem fazer uma vacinação que preste se todos eles têm uma base de dados de suas populações mais carentes pelo chamado Cadastro Único.
Não há uma explicação plausível para que a vacinação de idosos se dê nesse nível vexatório de desorganização

Cofre cheio

A reforma administrativa de Dr. Pessoa partiu em duas a Superintendência de Desenvolvimento Centro Norte.
A autarquia transformada em duas agora atende pelo nome de Superintendência de Ações Administrativas Descentralizadas (Saad) e para tanto, houve uma reprogramação financeira que dotou a pasta de R$ 51,480 milhões.
Esse orçamento será administrado por Ana Paula Mendes Santana, esposa do deputado estadual Zé Santana, do MDB.

Defesa Civil

No remanejamento de recursos orçamentários que somou R$ 68,339 milhões, feitos no dia 29, a fatia da nova Secretaria de Defesa Civil ficou em R$ 1,315 milhão – menos de 2% do valor orçamentário realocado.
Alguém deveria dizer ao prefeito que isso não é nada, não é nada, não é nada mesmo.

Essencial

No dicionário essencial se define como aquilo que se constitui na parte necessária de algo indispensável.
Talvez tenha sido esse tipo de definição que tenha levado os vereadores Ismael Silva, Levino de Jesus, Markin Costa, Jeová Alencar, Vinício Ferreira e Enzo Samuel a propor uma lei que propõe as atividades religiosas como essenciais.

Como assim?

A lei que os vereadores conseguiram aprovar e que foi sancionada pelo prefeito Dr. Pessoa estabelece como essencial para a população “atividade religiosa de qualquer culto, em tempos de crises oriundas de moléstias contagiosas, epidemias, pandemias e/ou catástrofes naturais”.

Presença

A lei, que é um primor de má redação e norma legislativa claudicante, determina que a atividade religiosa de qualquer culto “poderá ser realizada a limitação do número de pessoas presentes em tais locais, de acordo com a gravidade da situação e desde que por decisão devidamente fundamentada da autoridade competente, devendo ser mantida a possibilidade de atendimento presencial em tais locais”.
Entendeu leitor? Aqui, também não.

Fé e evangelho

Quando interesses seculares pouco ou nada sagrados sequestram a fé das pessoas, está na hora de ampliar a ideia de laicidade do estado.
Mas cabe lembrar, em contraposição a uma lei tão inoportuna, trecho do Evangelho de Mateus, capítulo 18, versículo 20, no qual Cristo diz: “… onde se reunirem dois ou três em meu nome, ali eu estou no meio deles".

Fundeb

Foi criado por lei municipal em Teresina, nesta semana que termina hoje, o Conselho Municipal de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Cacs/Fundeb).
O conselho, que tem esse nome imenso, quase impronunciável, terá 14 membros, incluindo um representante de pais de estudantes da rede municipal.

Assaí

Com uma loja em Teresina, no Dirceu, o Assaí deve instalar uma nova filial na cidade, desta vez na avenida Raul Lopes, Ininga, nas proximidades do Teresina Hall.
A rede varejista vai até fazer uma compensação ambiental pela instalação do empreendimento.

Mudas

Como desmatou parte de vegetação existente no imóvel onde vai construir a loja, a empresa vai doar à Secretaria Municipal de Meio Ambiente, mil mudas de manga, laranja, tangerina, ipê e angico-branco.

Ping-Pong
Longeva inteligência

Quando o ex-primeiro-ministro inglês Winston Churchill fez 80 anos um repórter-fotográfico de menos de 30 foi fotografá-lo. Entusiasmado, o rapaz se permitiu um comentário elogioso ao estadista.

Fotógrafo: “Sir Winston Churchill, espero fotografá-lo novamente nos seus 90 anos”.
Churchill: “Por que não? Você me parece bastante saudável”.

Expressas

A Prefeitura de Teresina precisa urgentemente colocar em andamento uma operação tapa-buracos. Boa parte da cidade parece um terreno lunar.

O DEM pode não estar na base de apoio ao Dr. Pessoa, mas os vereadores do partido há muito tempo são contados na bancada do Palácio da Cidade.

Os tucanos espalham uma pesquisa sem fonte ou instituto colocando Firmino Filho como primeiro colocado para governador. Truque.

O bate-boca por redes sociais entre o governador do Piauí, Wellington Dias (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) evidencia que brasileiro de uma forma geral está perdido na tormenta sanitária em que foi metido, exatamente pela falta de um diálogo entre os três níveis de governo. Bolsonaro segue, até onde pode, encontrando em medidas de bloqueio epidemiológico e sanitário, as razões para a grave crise econômica em que o país está metido. Fez disso a desculpa perfeita para o fracasso da gestão da economia, entregue por ele a um ministro que imagina ser possível conduzir a economia com os mesmos fundamentos usados para um fundo de investimentos, ou seja, que deseja ter lucros, uma tolice gigantesca, porque o estado não é para produzir ganhos financeiros, mas ganhos de qualidade de vida – e isso o atual governo não entregou nem antes, tampouco durante a pandemia. É certo que não conseguirá entregar bons resultados após a tormenta, quando se espera a bonança. Os resultados positivos não virão porque o governo simplesmente não fez o que lhe é devido fazer. As reformas propostas ou foram tímidas demais ou não andaram um milímetro porque logo Bolsonaro se tornou refém de um Congresso que só vota em troca de alguma coisa. Nem um orçamento fiscalmente responsável o governo de Bolsonaro conseguiu produzir em 2021, deixando que a lei orçamentária virasse uma colcha de retalhos de interesses que não são os do país, mas os de corporações parlamentares que sequestraram as dotações orçamentárias. Em meio a tudo isso, quando todos enxergavam na vacinação um passaporte para sair do furacão sanitário, Bolsonaro, como um quixote às avessas, duela com moinhos de vento. O resultado é que o país está longe de retomar a normalidade para que volte a funcionar a sua mais importante cadeia econômica (a de serviços) e o presidente, para compensar sua ruinosa gestão vai escalando inimigos para duelar a cada dia. Fez isso com um governador de um estado periférico, com 0,7% do PIB do país. Uma pena que perca o tempo dele com rusgas contraproducentes. Pena mesmo, porque o tempo do presidente da República, que vale ouro, é pago com dinheiro dos pagadores de impostos.

Na reforma administrativa, Dr. Pessoa divide superintendência em duas e dá ao MDB (Foto: Rômulo Piauilino / PMT)

Só isso?

O jornalista Petrus Evelin publica na página ‘O Piauiense’, no Instagram, uma informação inquietante de que alguns salários de trabalhadores de saúde chegam a ser a risível quantia de R$ 83,00.

Forma de pagar

Explica que a nova gestão da Prefeitura de Teresina mudou a forma de pagamento dos profissionais da saúde contratados.
O valor em questão teria sido recebido por um fisioterapeuta da UPA do Promorar.

Indo embora

Além disso - diz a matéria - quem é contratado não tem direito a insalubridade, férias e outras vantagens dos concursados.
Isso estaria levando muitas pessoas a pedir demissão.
Fala aí, Gilberto!

Sim, cadê o teu?

Não deve ser vista como injusta a cobrança que Bolsonaro fez para Wellington Dias complementar o auxílio emergencial. Afinal de contas, o governador tem dito ao distinto público pagante de impostos que há um programa bilionário de investimentos no estado.
Ou seja, dinheiro não parece ser um problema.

O oxílio do Uelto

Em resposta à cobrança de Bolsonaro, o governador informou estar liberando R$ 40 milhões de recursos próprios do Piauí para auxílio emergencial à população carente, sem emprego e renda.
Um pingo d’água perto dos R$ 44 bilhões que a União vai gastar com sua ajuda financeira aos muito pobres.

Fazendo de conta

O governador já avisou que vai dar uma ajuda financeira em espécie, em duas parcelas, ao pessoal da área de hotéis e restaurantes. Mas só para quem está há seis meses na rua da amargura.
No discurso do governador não tinha essa discriminação

Então...

Quem perdeu o emprego num intervalo de tempo maior fica a ver navios.
Neste caso, cabe a frase de Wellington Dias ao cobrar maior valor do auxílio emergencial a Bolsonaro: a fome não tira férias aqui também.

Irresponsabilidade

O Brasil é um país que desmoraliza o planejamento ao mesmo tempo em que trabalha para não conhecer a si mesmo.
Um exemplo disso foi a patacoada do Congresso Nacional ao reduzir para ridículos R$ 70 milhões o dinheiro do Censo Demográfico, feito pelo IBGE. Só um país de gente irresponsável é capaz de uma medida absurda como essa.

CadÚnico

Outra coisa que não dá para compreender é como os municípios não conseguem fazer uma vacinação que preste se todos eles têm uma base de dados de suas populações mais carentes pelo chamado Cadastro Único.
Não há uma explicação plausível para que a vacinação de idosos se dê nesse nível vexatório de desorganização

Cofre cheio

A reforma administrativa de Dr. Pessoa partiu em duas a Superintendência de Desenvolvimento Centro Norte.
A autarquia transformada em duas agora atende pelo nome de Superintendência de Ações Administrativas Descentralizadas (Saad) e para tanto, houve uma reprogramação financeira que dotou a pasta de R$ 51,480 milhões.
Esse orçamento será administrado por Ana Paula Mendes Santana, esposa do deputado estadual Zé Santana, do MDB.

Defesa Civil

No remanejamento de recursos orçamentários que somou R$ 68,339 milhões, feitos no dia 29, a fatia da nova Secretaria de Defesa Civil ficou em R$ 1,315 milhão – menos de 2% do valor orçamentário realocado.
Alguém deveria dizer ao prefeito que isso não é nada, não é nada, não é nada mesmo.

Essencial

No dicionário essencial se define como aquilo que se constitui na parte necessária de algo indispensável.
Talvez tenha sido esse tipo de definição que tenha levado os vereadores Ismael Silva, Levino de Jesus, Markin Costa, Jeová Alencar, Vinício Ferreira e Enzo Samuel a propor uma lei que propõe as atividades religiosas como essenciais.

Como assim?

A lei que os vereadores conseguiram aprovar e que foi sancionada pelo prefeito Dr. Pessoa estabelece como essencial para a população “atividade religiosa de qualquer culto, em tempos de crises oriundas de moléstias contagiosas, epidemias, pandemias e/ou catástrofes naturais”.

Presença

A lei, que é um primor de má redação e norma legislativa claudicante, determina que a atividade religiosa de qualquer culto “poderá ser realizada a limitação do número de pessoas presentes em tais locais, de acordo com a gravidade da situação e desde que por decisão devidamente fundamentada da autoridade competente, devendo ser mantida a possibilidade de atendimento presencial em tais locais”.
Entendeu leitor? Aqui, também não.

Fé e evangelho

Quando interesses seculares pouco ou nada sagrados sequestram a fé das pessoas, está na hora de ampliar a ideia de laicidade do estado.
Mas cabe lembrar, em contraposição a uma lei tão inoportuna, trecho do Evangelho de Mateus, capítulo 18, versículo 20, no qual Cristo diz: “… onde se reunirem dois ou três em meu nome, ali eu estou no meio deles".

Fundeb

Foi criado por lei municipal em Teresina, nesta semana que termina hoje, o Conselho Municipal de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Cacs/Fundeb).
O conselho, que tem esse nome imenso, quase impronunciável, terá 14 membros, incluindo um representante de pais de estudantes da rede municipal.

Assaí

Com uma loja em Teresina, no Dirceu, o Assaí deve instalar uma nova filial na cidade, desta vez na avenida Raul Lopes, Ininga, nas proximidades do Teresina Hall.
A rede varejista vai até fazer uma compensação ambiental pela instalação do empreendimento.

Mudas

Como desmatou parte de vegetação existente no imóvel onde vai construir a loja, a empresa vai doar à Secretaria Municipal de Meio Ambiente, mil mudas de manga, laranja, tangerina, ipê e angico-branco.

Ping-Pong
Longeva inteligência

Quando o ex-primeiro-ministro inglês Winston Churchill fez 80 anos um repórter-fotográfico de menos de 30 foi fotografá-lo. Entusiasmado, o rapaz se permitiu um comentário elogioso ao estadista.

Fotógrafo: “Sir Winston Churchill, espero fotografá-lo novamente nos seus 90 anos”.
Churchill: “Por que não? Você me parece bastante saudável”.

Expressas

A Prefeitura de Teresina precisa urgentemente colocar em andamento uma operação tapa-buracos. Boa parte da cidade parece um terreno lunar.

O DEM pode não estar na base de apoio ao Dr. Pessoa, mas os vereadores do partido há muito tempo são contados na bancada do Palácio da Cidade.

Os tucanos espalham uma pesquisa sem fonte ou instituto colocando Firmino Filho como primeiro colocado para governador. Truque.

Uma CPI candidata aos holofotes Diário Espiritual: uma Carta para Deus todas as manhãs do ano