1. Colunas
  2. Arimatéia Azevedo
  3. O que se vai ganhar com o novo ministro?
Publicidade

O que se vai ganhar com o novo ministro?

Para um estado cujos gestores – do governo ou dos municípios – vivem eternamente com o pires na mão, aguardando repasses federais e cuja função principal é a administração das folhas de pessoal, a ascensão de um político ao cargo de ministro poderia resultar em benefícios para todos. No entanto, na situação em que o senador Ciro Nogueira foi guindado ao posto de ministro da Casa Civil, fazendo do presidente refém de muitos partidos do já denominado Centrão, não se vislumbra boas notícias para o país e, tampouco, para o estado natal dele. O que está posto é que esse seria o preço pago por Bolsonaro para garantir a ‘governabilidade’ (olha a hipocrisia!). Ele chama ‘governabilidade’ a maneira de segurar o presidente a Câmara dos Deputados, Arthur Lira para não pautar os inúmeros processos de impeachment. Aparentemente, Nogueira não tem lastro e nem credibilidade para mudar a imagem do presidente perante o país. Portanto, sua atuação estará voltada para o Congresso.  No caso particular do Piauí, o senador guarda distância hoje do governador do Estado, Wellington Dias, de quem foi aliado e, por conta disso, não se acanha em tentar atrapalhar a gestão petista. Arvora-se de ser ‘cavador’ de recursos para seus mais de 100 prefeitos, em volume bem maior que as verbas carreadas para o governo do adversário, mas tal dinheiro já vem carimbado para os aliados, com endereço certo, e, com isso, se faz a repartição entre os prefeitos, os empreiteiros, os atravessadores, num procedimento nada republicano que só quem parece não ver são os agentes dos órgãos de controle e de investigação.  Há muito o Piauí não recebe verbas para obras estruturantes porque elas não dão votos. Em compensação, torram-se milhões em obras eleitoreiras (ou até mesmo nem as constroem), porque elas fazem a alegria de todos. A propina é a moeda de troca entre a maioria dos políticos, infelizmente. Só se faz alianças no Congresso Nacional mediante o compromisso de que cada um terá um quinhão, seja através das chamadas emendas parlamentares ou de outros tipos de verbas. Contando que cada um se dê por satisfeito e bem aquinhoado. É o que, pela alegria estampada em cada político, ontem, eles esperam do novo ministro de Bolsonaro. Afinal, afora as benesses próprias do Executivo, falam muito num tal Orçamento Paralelo de R$ 20 bilhões para ser rateado até as próximas eleições.


José Santana, forte candidato a conselheiro do TCE. Se dividir os votos com os colegas, óbvio (Foto: Marcelo Gomes / Portal AZ)

Assunto do momento

Não há outro assunto nas rodadas políticas que não seja a nomeação do próximo conselheiro do TCE.
Mas só há a certeza de que será um nome saído do parlamento estadual.
Mas não há consenso, ainda.

Forte...

Zé Santana, do MDB, seria um bom candidato, caso não fizesse questão de candidatar a esposa Ana Paula para a Assembleia Legislativa.
Sem os seus 45 mil votos para rateio, torna-se um candidato sem atrativo para seus colegas.

Wilsinho? Talvez!

O Deputado Wilson Brandão (47.900 votos) também é nome forte entre os parlamentes, ávidos por colégios eleitorais.

Escolha interna

A questão deverá ser resolvida já nas primeiras semanas de agosto, quando o legislativo voltar do recesso.
Não há a menor perspectiva de que o próximo conselheiro seja escolhido de outro segmento.
Tem que ser – segundo eles – entre os deputados.

Ciro em alta

Parlamentares que veem dificuldade em suas eleições, por falta da “escada” para fazer a legenda tendem a acompanhar o Senador Ciro, agora dono do orçamento paralelo do Brasil.
São citados nas rodadas políticas Flávio Nogueira e Júlio César.

Conceição do Canindé

Tem repercutido muito o caso da cidade de Conceição do Canindé ser grande produtora de hortifrutigranjeiros e seus produtores não terem a assistência merecida, com o agravante de não existir sequer estradas para escoar a produção.
E o governador do Estado fazendo cara de paisagem de que tudo está muito bem, obrigado.

Ferrovias

“Porque nesse país não se investe em ferrovias?”, indaga Erlich Cordão.
“Estive agora na ‘transcerrados’ e lá deveria sim ser implantada uma ferrovia ligando a Teresina e ou a outra próxima existente ou que vai existir , como a ferrovia norte sul ...eita país de falta de visão estratégica pra o desenvolvimento...”, completa ele.

Sem energia

O governador Wellington Dias deveria visitar Conceição do Canindé para ouvir queixas de que os produtores não aumentam suas áreas de plantio porque a energia é tão precária que instalam apenas um transformador para servir a dezenas de pessoas.
Fica vermelha, cara sem-vergonha!

Educação lucrativa

A China proíbe lucro com a educação.
Ah se fosse aqui, onde os políticos destruíram a educação pública para produzir fortunas na área privada, muitos barões iriam quebrar e os lobistas estariam todos presos.

Fadinha

Alô, governador Flávio Dino! Não precisa dar conotação eleitoral, apenas receber com as honras do Estado, a fadinha Raysa Leal, quando ela voltar com a sua medalha, do Japão.

Vai ficando...

Já se comenta que a secretaria Sádia Castro permanecerá no comando da Secretaria do Meio Ambiente. Pela cota do seu cunhado Hélio Isaías, que apesar de ser do PP, está no governo e ligadíssimo ao pré-candidato Rafael Fonteles.
Então, vai ser assim: ela vai ficando até...

Sambaíba

Morreu o poeta Neto Sambaíba.
Como bem disse Fernando Castelo Branco, Sambaíba era um icônico na arte de interpretar, representar.
O prefeito Dr. Pessoa divulgou nota de pesar.

Bolsonaro e Ciro

Bolsonaro acha normal ter sido chamado de fascista por Ciro Nogueira (em entrevista do senador a Amadeu Campos, em 2017).
“Sim chamou... as coisas mudam”.
Enfim...
O presidente justifica a rendição ao Centrão: “Não tem que ficar com mimimi. A minha aproximação com os partidos de centro é pela governabilidade”. 

Descaso

É desesperadora a situação de quem precisa atravessar a ponte metálica à noite. Seja para ir ou voltar de Timon. Porque, completamente às escuras, não tem policiamento.
Pela manhã, que faz a 'guarda' é um guarda do Departamento de Trânsito de Timon, controlando o tráfego do lado de Teresina porque não existe semáforo.
Os bandidos levaram os fios.

Não aposte, não!

Danilo Damásio postou em suas redes sociais: “nenhum desses três aí será candidato a governador do Piauí nas próximas eleições”.
Damásio se referia a ele próprio, ao ex-senador João Vicente Claudino e ao senador Ciro Nogueira.
E completou: “Eu porque não tenho o voto nem do pessoal lá de casa. O João Vicente porque não tem coragem. E o Ciro Nogueira porque não vai deixar de ser um ministro poderoso e viver no mundo das altas rodas e das altas cifras pra ficar discutindo salário de professor, de policial, e recebendo prefeito do interior aqui neste mausoléu que é o Karnak. Será que eu estou errado?”
Está não!

Ping-Pong
Bondinho de ouro

Profícuo cronista teresinense, João José de Andrade Ferraz, brindou seus eleitores com uma história que colheu numa revista. Como o “causo” estava em meio à sua crônica publicada na edição de domingo do Diário do Povo, içamo-lo para nossos leitores. Ferraz conta que os jogadores Jamir e Fábio Baiano estavam na concentração lendo a revista “Caras” e travaram um diálogo bem interessante.

Fábio: “Jamir, esse cara é rico mesmo. Olha só a casa dele...”
Jamir: “Não conhece? É o Abílio Diniz, dono do Pão de Açúcar”.
Fábio: “Eu não sabia que os bondinhos davam tanto dinheiro”.

Publicado originalmente em 14 de junho de 2004.

Expressas

O Piauí recebeu 71.100 doses de vacinas para combater a Covid-19. Foram 14.700 doses do imunizante FioCruz/AstraZeneca e 56.400 da Butantan/Coronavac.

A Fundação Municipal de Saúde vai vacinar em drive thru, nesta quarta-feira (28) com vacina Astrazeneca para quem tem a segunda dose até 28/07. 

Amanhã terá drive thru de segunda dose da vacina Coronavac para quem tem especificado na carteira de vacinação até 01/08.

Para um estado cujos gestores – do governo ou dos municípios – vivem eternamente com o pires na mão, aguardando repasses federais e cuja função principal é a administração das folhas de pessoal, a ascensão de um político ao cargo de ministro poderia resultar em benefícios para todos. No entanto, na situação em que o senador Ciro Nogueira foi guindado ao posto de ministro da Casa Civil, fazendo do presidente refém de muitos partidos do já denominado Centrão, não se vislumbra boas notícias para o país e, tampouco, para o estado natal dele. O que está posto é que esse seria o preço pago por Bolsonaro para garantir a ‘governabilidade’ (olha a hipocrisia!). Ele chama ‘governabilidade’ a maneira de segurar o presidente a Câmara dos Deputados, Arthur Lira para não pautar os inúmeros processos de impeachment. Aparentemente, Nogueira não tem lastro e nem credibilidade para mudar a imagem do presidente perante o país. Portanto, sua atuação estará voltada para o Congresso.  No caso particular do Piauí, o senador guarda distância hoje do governador do Estado, Wellington Dias, de quem foi aliado e, por conta disso, não se acanha em tentar atrapalhar a gestão petista. Arvora-se de ser ‘cavador’ de recursos para seus mais de 100 prefeitos, em volume bem maior que as verbas carreadas para o governo do adversário, mas tal dinheiro já vem carimbado para os aliados, com endereço certo, e, com isso, se faz a repartição entre os prefeitos, os empreiteiros, os atravessadores, num procedimento nada republicano que só quem parece não ver são os agentes dos órgãos de controle e de investigação.  Há muito o Piauí não recebe verbas para obras estruturantes porque elas não dão votos. Em compensação, torram-se milhões em obras eleitoreiras (ou até mesmo nem as constroem), porque elas fazem a alegria de todos. A propina é a moeda de troca entre a maioria dos políticos, infelizmente. Só se faz alianças no Congresso Nacional mediante o compromisso de que cada um terá um quinhão, seja através das chamadas emendas parlamentares ou de outros tipos de verbas. Contando que cada um se dê por satisfeito e bem aquinhoado. É o que, pela alegria estampada em cada político, ontem, eles esperam do novo ministro de Bolsonaro. Afinal, afora as benesses próprias do Executivo, falam muito num tal Orçamento Paralelo de R$ 20 bilhões para ser rateado até as próximas eleições.


José Santana, forte candidato a conselheiro do TCE. Se dividir os votos com os colegas, óbvio (Foto: Marcelo Gomes / Portal AZ)

Assunto do momento

Não há outro assunto nas rodadas políticas que não seja a nomeação do próximo conselheiro do TCE.
Mas só há a certeza de que será um nome saído do parlamento estadual.
Mas não há consenso, ainda.

Forte...

Zé Santana, do MDB, seria um bom candidato, caso não fizesse questão de candidatar a esposa Ana Paula para a Assembleia Legislativa.
Sem os seus 45 mil votos para rateio, torna-se um candidato sem atrativo para seus colegas.

Wilsinho? Talvez!

O Deputado Wilson Brandão (47.900 votos) também é nome forte entre os parlamentes, ávidos por colégios eleitorais.

Escolha interna

A questão deverá ser resolvida já nas primeiras semanas de agosto, quando o legislativo voltar do recesso.
Não há a menor perspectiva de que o próximo conselheiro seja escolhido de outro segmento.
Tem que ser – segundo eles – entre os deputados.

Ciro em alta

Parlamentares que veem dificuldade em suas eleições, por falta da “escada” para fazer a legenda tendem a acompanhar o Senador Ciro, agora dono do orçamento paralelo do Brasil.
São citados nas rodadas políticas Flávio Nogueira e Júlio César.

Conceição do Canindé

Tem repercutido muito o caso da cidade de Conceição do Canindé ser grande produtora de hortifrutigranjeiros e seus produtores não terem a assistência merecida, com o agravante de não existir sequer estradas para escoar a produção.
E o governador do Estado fazendo cara de paisagem de que tudo está muito bem, obrigado.

Ferrovias

“Porque nesse país não se investe em ferrovias?”, indaga Erlich Cordão.
“Estive agora na ‘transcerrados’ e lá deveria sim ser implantada uma ferrovia ligando a Teresina e ou a outra próxima existente ou que vai existir , como a ferrovia norte sul ...eita país de falta de visão estratégica pra o desenvolvimento...”, completa ele.

Sem energia

O governador Wellington Dias deveria visitar Conceição do Canindé para ouvir queixas de que os produtores não aumentam suas áreas de plantio porque a energia é tão precária que instalam apenas um transformador para servir a dezenas de pessoas.
Fica vermelha, cara sem-vergonha!

Educação lucrativa

A China proíbe lucro com a educação.
Ah se fosse aqui, onde os políticos destruíram a educação pública para produzir fortunas na área privada, muitos barões iriam quebrar e os lobistas estariam todos presos.

Fadinha

Alô, governador Flávio Dino! Não precisa dar conotação eleitoral, apenas receber com as honras do Estado, a fadinha Raysa Leal, quando ela voltar com a sua medalha, do Japão.

Vai ficando...

Já se comenta que a secretaria Sádia Castro permanecerá no comando da Secretaria do Meio Ambiente. Pela cota do seu cunhado Hélio Isaías, que apesar de ser do PP, está no governo e ligadíssimo ao pré-candidato Rafael Fonteles.
Então, vai ser assim: ela vai ficando até...

Sambaíba

Morreu o poeta Neto Sambaíba.
Como bem disse Fernando Castelo Branco, Sambaíba era um icônico na arte de interpretar, representar.
O prefeito Dr. Pessoa divulgou nota de pesar.

Bolsonaro e Ciro

Bolsonaro acha normal ter sido chamado de fascista por Ciro Nogueira (em entrevista do senador a Amadeu Campos, em 2017).
“Sim chamou... as coisas mudam”.
Enfim...
O presidente justifica a rendição ao Centrão: “Não tem que ficar com mimimi. A minha aproximação com os partidos de centro é pela governabilidade”. 

Descaso

É desesperadora a situação de quem precisa atravessar a ponte metálica à noite. Seja para ir ou voltar de Timon. Porque, completamente às escuras, não tem policiamento.
Pela manhã, que faz a 'guarda' é um guarda do Departamento de Trânsito de Timon, controlando o tráfego do lado de Teresina porque não existe semáforo.
Os bandidos levaram os fios.

Não aposte, não!

Danilo Damásio postou em suas redes sociais: “nenhum desses três aí será candidato a governador do Piauí nas próximas eleições”.
Damásio se referia a ele próprio, ao ex-senador João Vicente Claudino e ao senador Ciro Nogueira.
E completou: “Eu porque não tenho o voto nem do pessoal lá de casa. O João Vicente porque não tem coragem. E o Ciro Nogueira porque não vai deixar de ser um ministro poderoso e viver no mundo das altas rodas e das altas cifras pra ficar discutindo salário de professor, de policial, e recebendo prefeito do interior aqui neste mausoléu que é o Karnak. Será que eu estou errado?”
Está não!

Ping-Pong
Bondinho de ouro

Profícuo cronista teresinense, João José de Andrade Ferraz, brindou seus eleitores com uma história que colheu numa revista. Como o “causo” estava em meio à sua crônica publicada na edição de domingo do Diário do Povo, içamo-lo para nossos leitores. Ferraz conta que os jogadores Jamir e Fábio Baiano estavam na concentração lendo a revista “Caras” e travaram um diálogo bem interessante.

Fábio: “Jamir, esse cara é rico mesmo. Olha só a casa dele...”
Jamir: “Não conhece? É o Abílio Diniz, dono do Pão de Açúcar”.
Fábio: “Eu não sabia que os bondinhos davam tanto dinheiro”.

Publicado originalmente em 14 de junho de 2004.

Expressas

O Piauí recebeu 71.100 doses de vacinas para combater a Covid-19. Foram 14.700 doses do imunizante FioCruz/AstraZeneca e 56.400 da Butantan/Coronavac.

A Fundação Municipal de Saúde vai vacinar em drive thru, nesta quarta-feira (28) com vacina Astrazeneca para quem tem a segunda dose até 28/07. 

Amanhã terá drive thru de segunda dose da vacina Coronavac para quem tem especificado na carteira de vacinação até 01/08.

A vergonhosa falta d'água O mau exemplo do governo