1. Colunas
  2. Arimatéia Azevedo
  3. Obras estruturantes
Publicidade

Obras estruturantes

Ainda não apareceu uma alma alfabetizada ou com o talento para os números do candidato da camisa branca Rafael Fonteles para fazer uma boa auditoria e determinar os valores gastos pelo governo do Piauí com o calçamentismo eleitoral, que inclui desde as ruas pavimentadas com paralelepípedos até estradas vicinais (municipais) recuperadas, praças, quadras esportivas e outras obras de pequena monta que são usadas como moeda de troca eleitoral. Mas o dinheiro não é pouco. A Secretaria do Tesouro Nacional registra que o Estado do Piauí tem dados sobre operações de crédito (empréstimos) tomados pelo Piauí nos últimos sete anos (2015 a 2021) que somam R$ 3,434 bilhões. Considerável volume desses recursos foi usado  em obras de pequena monta, com propósito muito mais eleitoreiro que de desenvolvimento sustentado. Não para aí. Há uma longa fila de desperdícios de recursos públicos. O Estado segue sem dispor de obras que proporcionem um retorno econômico capaz de ampliar a sua base econômica a ponto de se ter mais recursos gerados pelos impostos obtidos tanto na produção quanto no consumo ocasionado pelo aumento de massa salarial decorrente de mais empregos gerados pelo suporte e infraestrutura criados pelo governo. Isso não ocorreu. O governo torrou centenas de milhões de reais em obras cuja realização se poderia fazer por outros meios de financiamento ou na parceria com municípios e aporte de recursos da União. A opção pelo obreirismo eleitoral custa caro, porque é investimento com cara de custeio, já que o retorno econômico é pouco ou inexistente. A cara do governo atual do Piauí, em que sempre procura desmoralizar o planejamento é uma espécie de esporte praticado com afinco.

Ravenna Castro e o desejo por um novo Piauí em sua gravidez de mentirinha. Simbolicamente é a gestação de um novo Piauí

Buraco tem beira 

“Tem buraco porque existe estrada. Antes nem existia estrada”. 
Está aí a resposta de Rafael Fonteles para a queixas do mundo todo das intrafegáveis estradas piauienses.  
Só faltaria Rafael imitar o impagável Ariano Suassuna e completar: “todo buraco tem beira”. 

Prenhe de mudança

Ravenna Castro apareceu “grávida” na convenção do PMN em que foi escolhida candidata a governadora. Teve gente que criticou, mas faz sentido a representação que ela fez: quer gestar um novo Piauí. 
Ravenna tem razão porque se houvesse mais mulheres na política, certamente haveria melhor governança.

Segurança

O pessoal da segurança lula-petista desacredita na militância alugada ou teme que alguém se infiltre para fazer mal ao sumo líder do partido.
No encontro de Lula com o povo, hoje, em local fechadíssimo, haverá revista com uso de detectores de metal. 

Madeira, não! 

Até bandeiras terão que ser afixadas em canos de PVC, não em madeira.

Sem risco

Como não haverá madeira nem para sustentar as bandeirinhas, Lula pode ficar tranquilo. Não será em Teresina que vai levar uma paulada. Afinal de contas, a única madeira que haverá lá será da cara de pau de muita gente que estará no entorno do ex-presidente na Arena Folia, na avenida Kennedy, (em frente ao Zoobotânico) rebatizado momentaneamente de “arena do povo”.

Assepsia

A Fundacão Municipal de Saude vai gastar R$ 1.780.610,00 na compra de materiais para limpeza e desinfecção e produtos para uso em copa/cozinha no Hospital de Urgência de Teresina.

Avenida

A Prefeitura de Teresina vai licitar dia 2 de setembro a obra da via entre a rotatória da UFPI e o entroncamento entre as avenidas Ulisses Marques e Raul Lopes.
O valor estimado da obra é de R$ 6.349.346,14.

Na gaveta

Jeová Alencar, presidente da Câmara Municipal, não arquivou os pedidos de impeachment protocolados contra Dotô Pessoa.
Havia três. Alencar arquivou um, protocolado pelo Cidadania. Dois seguem guardados como se fossem serpentes de estimação.

Sem debate

Os colunistas substitutos ficaram sabendo que o morubixaba petista Wellington Dias, acostumado a vencer eleições por W.O., conseguiu de emissoras amigas a não realização de debates entre candidatos a senador.
Dias não parece gostar da ideia de que haja alguém com boa conversa para debater com ele.
Termina sendo chamado de candidato fujão.

Espremido  

Entre seus próximos concorrentes, Wellington já conhece a língua ferina e o profundo conhecimento de Fábio Servio sobre as coisas mal feitas do ex-governador. 
Fábio Sérvio, na última campanha, o espremeu como se faz com a laranja para fazer suco.

Triste fim

O PSDB é um partido que está se acabando de maneira triste. Depois de eleger Fernando Henrique Cardoso duas vezes no primeiro turno e de ir para o segundo turno quatro vezes contra o PT, agora indica a vice na chapa do MDB, cuja candidata Simone Tebet tem 2% das intenções de votos.
Pense num fim melancólico.

Solar

Quatro plantas de geração de energia solar, cada uma com capacidade para 50 megawatts de energia, serão instaladas na cidade de Caldeirão Grande do Piauí.

É festa! 1

A Secretaria do Turismo, calçamentista como outras pastas, também faz festas, assim como faz festa a Secretaria de Agronegócio.
Mês passado, a Setur torrou R$ 310 mil com show de Waldo e Felipe em Simões (R$ 150 mil) e Santa Cruz dos Milagres (R$ 160 mil).

É festa! 2

A Setur também gastou R$ 290 mil em eventos na cidade de Ipiranga do Piauí: R$ 150 mil com a banda Toca do Vale, R$ 100 mil com a Banda Caninana e R$ 40 mil com Karla Thalyta.

Os eventos musicais fizeram parte da semana da juventude.

Artes integradas

A Coordenadoria de Comunicação do Palácio de Karnak pagou R$ 200 mil a uma empresa chamada L A Eventos e Treinamentos Profissionalizantes pela realização de algo intitulado o "Piaga Festival de Artes Integradas – 4ª edição”, em Teresina.
Se alguma alma alfabetizada souber do que se trate, favor informar aos colunistas substitutos.

Rebola!

Seria bom também que essa informação fosse rebolada - isso mesmo, atirada, jogada - lá pra banda do Ministério Público estadual.  
Para, só assim, forçado, alguém de lá, se disponha a investigar essa gastança desenfreada no governo. 

Pedras da manga

R$ 958.745,86 é quanto a Secretaria de Agronegócio vai gastar numa obra calçamentista de 8.232,60 metros quadrados de pavimentação na localidade Pé de Serra e nas ruas Tiradentes e Demerval Lobão, no município de Altos.

Quem voa primeiro? 

Nas bolsas de apostas, que na verdade não são mais que fofocas nas redes sociais, há todo tipo de conjectura ou especulação sobre o que a Polícia Militar do Piaui irá fazer com o helicóptero de R$ 13 mil a hora.  
Uns apostam que o primeiro voo será com candidato para o interior. 

Passeio turísticos 

Já tem quem ache que a catirina vai fazer seu primeiro voo para o litoral, na sexta-feira, a pretexto de sobrevoar as bocas de fumo e zonas de guerra da bandidagem. 
E aproveita leva família e agregados dos comandantes para um tour pelas praias. 

Ping-pong

Vice de enfeite

Humberto de Alencar Castelo Branco, marechal que se tornou o primeiro dos presidentes da ditadura militar, passava de carro pelo Túnel Novo, em Copacabana. Com seu chefe da Casa Civil, Luís Viana. Apareceu um caminhão, inteiramente desgovernado, e foi para cima do carro da Presidência da República. O motorista conseguiu dar uma guinada e salvar a todos. O presidente, pálido, olhou para Luís Viana, ainda mais pálido que o chefe.
Castelo: “Em que é que o senhor pensou, dr. Luís?”
Viana: “Pensei no vice-presidente José Maria Alkmin”
Castelo, de cara fechada: “Que não poderia assumir”.

Livremente adaptado do livro de folclore político de Sebastião Nery.

 Expressas 

A Polícia Federal deflagrou a “Operação Não Seja um Laranja”, ontem, para desarticular esquemas criminosos voltados à prática de fraudes em contas eletrônicas mantidas em diversas instituições bancárias do país. O montante de fraudes bancárias eletrônicas investigadas totaliza R$ 18,2 milhões.

A Semar fez um alerta sobre a baixa umidade relativa do ar em boa parte do estado. Conforme a previsão, a umidade fica em torno de 30% e 20%, principalmente no Centro-sul, Sudeste e Sudoeste do Piauí. Em Teresina o tempo fica parcialmente nublado.

As cidades de Dom Inocêncio, Dirceu Arcoverde, São Lourenço e Fartura do Piauí, situadas no Sul do estado, ficaram sem energia elétrica na madrugada desta terça-feira (02) depois que vândalos serraram um poste, que tombou e comprometeu o fornecimento de energia. Os municipios são atendidos pela Subestação São Raimundo Nonato.

*Esta coluna é de responsabilidade dos colaboradores do Portal AZ

Ainda não apareceu uma alma alfabetizada ou com o talento para os números do candidato da camisa branca Rafael Fonteles para fazer uma boa auditoria e determinar os valores gastos pelo governo do Piauí com o calçamentismo eleitoral, que inclui desde as ruas pavimentadas com paralelepípedos até estradas vicinais (municipais) recuperadas, praças, quadras esportivas e outras obras de pequena monta que são usadas como moeda de troca eleitoral. Mas o dinheiro não é pouco. A Secretaria do Tesouro Nacional registra que o Estado do Piauí tem dados sobre operações de crédito (empréstimos) tomados pelo Piauí nos últimos sete anos (2015 a 2021) que somam R$ 3,434 bilhões. Considerável volume desses recursos foi usado  em obras de pequena monta, com propósito muito mais eleitoreiro que de desenvolvimento sustentado. Não para aí. Há uma longa fila de desperdícios de recursos públicos. O Estado segue sem dispor de obras que proporcionem um retorno econômico capaz de ampliar a sua base econômica a ponto de se ter mais recursos gerados pelos impostos obtidos tanto na produção quanto no consumo ocasionado pelo aumento de massa salarial decorrente de mais empregos gerados pelo suporte e infraestrutura criados pelo governo. Isso não ocorreu. O governo torrou centenas de milhões de reais em obras cuja realização se poderia fazer por outros meios de financiamento ou na parceria com municípios e aporte de recursos da União. A opção pelo obreirismo eleitoral custa caro, porque é investimento com cara de custeio, já que o retorno econômico é pouco ou inexistente. A cara do governo atual do Piauí, em que sempre procura desmoralizar o planejamento é uma espécie de esporte praticado com afinco.

Ravenna Castro e o desejo por um novo Piauí em sua gravidez de mentirinha. Simbolicamente é a gestação de um novo Piauí

Buraco tem beira 

“Tem buraco porque existe estrada. Antes nem existia estrada”. 
Está aí a resposta de Rafael Fonteles para a queixas do mundo todo das intrafegáveis estradas piauienses.  
Só faltaria Rafael imitar o impagável Ariano Suassuna e completar: “todo buraco tem beira”. 

Prenhe de mudança

Ravenna Castro apareceu “grávida” na convenção do PMN em que foi escolhida candidata a governadora. Teve gente que criticou, mas faz sentido a representação que ela fez: quer gestar um novo Piauí. 
Ravenna tem razão porque se houvesse mais mulheres na política, certamente haveria melhor governança.

Segurança

O pessoal da segurança lula-petista desacredita na militância alugada ou teme que alguém se infiltre para fazer mal ao sumo líder do partido.
No encontro de Lula com o povo, hoje, em local fechadíssimo, haverá revista com uso de detectores de metal. 

Madeira, não! 

Até bandeiras terão que ser afixadas em canos de PVC, não em madeira.

Sem risco

Como não haverá madeira nem para sustentar as bandeirinhas, Lula pode ficar tranquilo. Não será em Teresina que vai levar uma paulada. Afinal de contas, a única madeira que haverá lá será da cara de pau de muita gente que estará no entorno do ex-presidente na Arena Folia, na avenida Kennedy, (em frente ao Zoobotânico) rebatizado momentaneamente de “arena do povo”.

Assepsia

A Fundacão Municipal de Saude vai gastar R$ 1.780.610,00 na compra de materiais para limpeza e desinfecção e produtos para uso em copa/cozinha no Hospital de Urgência de Teresina.

Avenida

A Prefeitura de Teresina vai licitar dia 2 de setembro a obra da via entre a rotatória da UFPI e o entroncamento entre as avenidas Ulisses Marques e Raul Lopes.
O valor estimado da obra é de R$ 6.349.346,14.

Na gaveta

Jeová Alencar, presidente da Câmara Municipal, não arquivou os pedidos de impeachment protocolados contra Dotô Pessoa.
Havia três. Alencar arquivou um, protocolado pelo Cidadania. Dois seguem guardados como se fossem serpentes de estimação.

Sem debate

Os colunistas substitutos ficaram sabendo que o morubixaba petista Wellington Dias, acostumado a vencer eleições por W.O., conseguiu de emissoras amigas a não realização de debates entre candidatos a senador.
Dias não parece gostar da ideia de que haja alguém com boa conversa para debater com ele.
Termina sendo chamado de candidato fujão.

Espremido  

Entre seus próximos concorrentes, Wellington já conhece a língua ferina e o profundo conhecimento de Fábio Servio sobre as coisas mal feitas do ex-governador. 
Fábio Sérvio, na última campanha, o espremeu como se faz com a laranja para fazer suco.

Triste fim

O PSDB é um partido que está se acabando de maneira triste. Depois de eleger Fernando Henrique Cardoso duas vezes no primeiro turno e de ir para o segundo turno quatro vezes contra o PT, agora indica a vice na chapa do MDB, cuja candidata Simone Tebet tem 2% das intenções de votos.
Pense num fim melancólico.

Solar

Quatro plantas de geração de energia solar, cada uma com capacidade para 50 megawatts de energia, serão instaladas na cidade de Caldeirão Grande do Piauí.

É festa! 1

A Secretaria do Turismo, calçamentista como outras pastas, também faz festas, assim como faz festa a Secretaria de Agronegócio.
Mês passado, a Setur torrou R$ 310 mil com show de Waldo e Felipe em Simões (R$ 150 mil) e Santa Cruz dos Milagres (R$ 160 mil).

É festa! 2

A Setur também gastou R$ 290 mil em eventos na cidade de Ipiranga do Piauí: R$ 150 mil com a banda Toca do Vale, R$ 100 mil com a Banda Caninana e R$ 40 mil com Karla Thalyta.

Os eventos musicais fizeram parte da semana da juventude.

Artes integradas

A Coordenadoria de Comunicação do Palácio de Karnak pagou R$ 200 mil a uma empresa chamada L A Eventos e Treinamentos Profissionalizantes pela realização de algo intitulado o "Piaga Festival de Artes Integradas – 4ª edição”, em Teresina.
Se alguma alma alfabetizada souber do que se trate, favor informar aos colunistas substitutos.

Rebola!

Seria bom também que essa informação fosse rebolada - isso mesmo, atirada, jogada - lá pra banda do Ministério Público estadual.  
Para, só assim, forçado, alguém de lá, se disponha a investigar essa gastança desenfreada no governo. 

Pedras da manga

R$ 958.745,86 é quanto a Secretaria de Agronegócio vai gastar numa obra calçamentista de 8.232,60 metros quadrados de pavimentação na localidade Pé de Serra e nas ruas Tiradentes e Demerval Lobão, no município de Altos.

Quem voa primeiro? 

Nas bolsas de apostas, que na verdade não são mais que fofocas nas redes sociais, há todo tipo de conjectura ou especulação sobre o que a Polícia Militar do Piaui irá fazer com o helicóptero de R$ 13 mil a hora.  
Uns apostam que o primeiro voo será com candidato para o interior. 

Passeio turísticos 

Já tem quem ache que a catirina vai fazer seu primeiro voo para o litoral, na sexta-feira, a pretexto de sobrevoar as bocas de fumo e zonas de guerra da bandidagem. 
E aproveita leva família e agregados dos comandantes para um tour pelas praias. 

Ping-pong

Vice de enfeite

Humberto de Alencar Castelo Branco, marechal que se tornou o primeiro dos presidentes da ditadura militar, passava de carro pelo Túnel Novo, em Copacabana. Com seu chefe da Casa Civil, Luís Viana. Apareceu um caminhão, inteiramente desgovernado, e foi para cima do carro da Presidência da República. O motorista conseguiu dar uma guinada e salvar a todos. O presidente, pálido, olhou para Luís Viana, ainda mais pálido que o chefe.
Castelo: “Em que é que o senhor pensou, dr. Luís?”
Viana: “Pensei no vice-presidente José Maria Alkmin”
Castelo, de cara fechada: “Que não poderia assumir”.

Livremente adaptado do livro de folclore político de Sebastião Nery.

 Expressas 

A Polícia Federal deflagrou a “Operação Não Seja um Laranja”, ontem, para desarticular esquemas criminosos voltados à prática de fraudes em contas eletrônicas mantidas em diversas instituições bancárias do país. O montante de fraudes bancárias eletrônicas investigadas totaliza R$ 18,2 milhões.

A Semar fez um alerta sobre a baixa umidade relativa do ar em boa parte do estado. Conforme a previsão, a umidade fica em torno de 30% e 20%, principalmente no Centro-sul, Sudeste e Sudoeste do Piauí. Em Teresina o tempo fica parcialmente nublado.

As cidades de Dom Inocêncio, Dirceu Arcoverde, São Lourenço e Fartura do Piauí, situadas no Sul do estado, ficaram sem energia elétrica na madrugada desta terça-feira (02) depois que vândalos serraram um poste, que tombou e comprometeu o fornecimento de energia. Os municipios são atendidos pela Subestação São Raimundo Nonato.

*Esta coluna é de responsabilidade dos colaboradores do Portal AZ

Agora é pra valer Começa agora