1. Editorias
  2. Geral
  3. Joice Hasselmann contrata advogado criminalista Kakay
Publicidade

Joice Hasselmann contrata advogado criminalista Kakay

Colunista do Poder360, Kakay confirmou que irá auxiliar deputada no caso de suposto atentado

A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) contratou o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, para representá-la no caso do suposto atentado sofrido por ela na madrugada de 18 de julho.

Joice Hasselmann contrata advogado criminalista Kakay (Foto: Sérgio Lima/Poder360)

A deputada afirmou ter acordado com lesões pelo corpo e sobre uma poça de sangue, mas afirma que não lembra do que aconteceu. A segurança de Hasselmann foi reforçada após o episódio.

Colunista do Poder360, Kakay confirmou que irá representar a congressista no processo.

Entenda o caso

A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) diz acreditar ter sido vítima de um atentado na madrugada do dia 18 de julho, quando estava em seu apartamento funcional em Brasília.

Ao Poder360, ela contou estar com 5 fraturas no crânio e com lesões nos 2 joelhos, costelas e ombros. Joice também quebrou alguns dentes. Não há, porém, indícios de lesões internas na cabeça, de acordo com a deputada.

Joice acionou a Polícia Legislativa da Câmara e integrantes da polícia de São Paulo para investigarem o que ocorreu. “Estou me recuperando, estou bem melhor já. Não queria que isso chegasse à imprensa, mas uma jornalista descobriu meus exames”, disse Hasselmann. A história foi revelada pelo jornal O Globo.

Na terça-feira (27.jul.2021), O MPF (Ministério Público Federal) devolveu ao Departamento de Polícia Legislativa da Câmara (Depol) o inquérito sobre as agressões sofridas pela deputada federal. Os autos haviam sido remetidos à Procuradoria no mesmo dia.

Ao devolver o caso, o MPF pediu a conclusão dos laudos periciais conduzidos pela Polícia Legislativa.

O Depol informou em nota que realizou perícia em 16 câmaras do apartamento funcional ocupado por Joice, em Brasília. A Polícia também disse que ouviu os funcionários que trabalham no local. O Poder360 apurou que a perícia não identificou movimentações anormais e tampouco a entrada de pessoas estranhas no imóvel.
 

A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) contratou o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, para representá-la no caso do suposto atentado sofrido por ela na madrugada de 18 de julho.

Joice Hasselmann contrata advogado criminalista Kakay (Foto: Sérgio Lima/Poder360)

A deputada afirmou ter acordado com lesões pelo corpo e sobre uma poça de sangue, mas afirma que não lembra do que aconteceu. A segurança de Hasselmann foi reforçada após o episódio.

Colunista do Poder360, Kakay confirmou que irá representar a congressista no processo.

Entenda o caso

A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) diz acreditar ter sido vítima de um atentado na madrugada do dia 18 de julho, quando estava em seu apartamento funcional em Brasília.

Ao Poder360, ela contou estar com 5 fraturas no crânio e com lesões nos 2 joelhos, costelas e ombros. Joice também quebrou alguns dentes. Não há, porém, indícios de lesões internas na cabeça, de acordo com a deputada.

Joice acionou a Polícia Legislativa da Câmara e integrantes da polícia de São Paulo para investigarem o que ocorreu. “Estou me recuperando, estou bem melhor já. Não queria que isso chegasse à imprensa, mas uma jornalista descobriu meus exames”, disse Hasselmann. A história foi revelada pelo jornal O Globo.

Na terça-feira (27.jul.2021), O MPF (Ministério Público Federal) devolveu ao Departamento de Polícia Legislativa da Câmara (Depol) o inquérito sobre as agressões sofridas pela deputada federal. Os autos haviam sido remetidos à Procuradoria no mesmo dia.

Ao devolver o caso, o MPF pediu a conclusão dos laudos periciais conduzidos pela Polícia Legislativa.

O Depol informou em nota que realizou perícia em 16 câmaras do apartamento funcional ocupado por Joice, em Brasília. A Polícia também disse que ouviu os funcionários que trabalham no local. O Poder360 apurou que a perícia não identificou movimentações anormais e tampouco a entrada de pessoas estranhas no imóvel.