1. Editorias
  2. Justiça
  3. MPF quer manter no STJ processo contra Wellington Dias por rompimento de barragem
Publicidade

MPF quer manter no STJ processo contra Wellington Dias por rompimento de barragem

Ela deve apurar a responsabilidade pelo crime ambiental, decorrente do rompimento da Barragem de Algodões I

O Ministério Público Federal (MPF) solicitou ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ) que conduza a ação penal contra o governador Wellington Dias. Ela deve apurar a responsabilidade pelo crime ambiental, decorrente do rompimento da Barragem de Algodões I.

Segundo MPF, o governador do Piauí foi omisso (Foto:Lucas Sousa/Portal AZ)

De acordo com o MPF, quem deve conduzir toda a ação é o Supremo Tribunal de Justiça, ainda que o crime tenha acontecido em 2009, quando Dias exercia seu segundo mandado de governador do Piauí. A posição foi apresentada em contrarrazões em agravo a recurso extraordinário proposto pelo governador.

Wellington Dias e, a então presidente da Empresa de Gestão de Recursos do Piauí (Emgerpi), Luciele Moura, respondem a ação penal pelas mortes e foram denunciados também por crime ambiental.

Segundo o MPF, eles sabiam dos defeitos da barragem bem antes do rompimento, mas não fizeram nada para resolver o problema. Os delitos apontados na ação são de dano em Unidades de Conservação e de poluição, de tornar área imprópria para a ocupação humana e de interromper o abastecimento de água de uma comunidade. Para o órgão, a omissão dos dois contribuiu de forma dolosa para a tragédia.

Em 2006, três anos antes da tragédia, Wellington Dias pediu R$ 595 mil ao Ministério da Integração para obras de manutenção da barragem e para o conserto de diversos defeitos detectados. Os reparos não foram realizados e dois anos depois, em agosto de 2008, Luciele Moura constatou infiltração, erosão e sinais evidentes de sangramento da barragem. 

Mesmo com todos os problemas detectados, a Emgerpi contratou a empresa de engenharia para realizar a manutenção em maio 2009, 21 dias antes do rompimento da barragem.

MPF quer manter no STJ processo contra Wellington Dias por rompimento de barragem (Foto:Wilson Nanaia/Portal AZ)

A tragédia

A Barragem de Algodões I rompeu em 27 de maio de 2009, causando a morte de nove pessoas. Além disso, deixou 1.047 desalojados e 953 desabrigados, com 203 casas danificadas e outras 385 destruídas. 

A enxurrada atingiu cerca de 1,15% do total da Área de Proteção Ambiental (APA) da Serra da Ibiapara, poluindo rios que cortam a unidade de conservação e destruindo a vegetação nativa e plantada nas margens. A população ficou sem água, e o desabastecimento chegou a durar dias em algumas comunidades.

Prerrogativa de foro 

O processo pelo crime ambiental foi desmembrado, para que o STJ analisasse apenas a parte relativa ao governador. Mas logo depois, no julgamento de questão de ordem, a Corte Especial do STJ reconheceu sua incompetência para examinar o caso. A conclusão foi de que a manutenção do foro depois de um hiato – no qual Wellington exerceu mandato de senador, seguido de novo mandato como governador – seria “um privilégio pessoal, não albergado pela garantia constitucional”. Os autos foram enviados para a Justiça de primeira instância, e o governador apresentou diversos recursos contra essa decisão.

Para o MPF, o agravo em recurso extraordinário proposto pelo governador não deve ser aceito, já que a peça não está corretamente fundamentada. No entanto, no mérito, o MPF é a favor da manutenção do foro no STJ para o caso. A subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo lembra que o STJ é competente para processar e julgar crimes cometidos por governadores durante o mandato e em razão das funções inerentes ao cargo, o que é justamente o caso. Segundo ela, o papel institucional da prerrogativa é de servir como instrumento para a garantia do livre exercício de cargos, funções e mandatos institucionalmente relevantes.

A subprocuradora-geral cita parecer do MPF em recurso anterior do governador, no qual a instituição concorda com a posição do recorrente. A argumentação afirma que, na análise de ação penal similar, o STF não fez restrição à prerrogativa de foro para situações em que os fatos imputados tenham se dado em mandato anterior e já terminado, quando o acusado volta a exercer o mesmo cargo. Assim, o foro se mantém, apesar do hiato, como forma de garantir a eficiência e a eficácia da prestação jurisdicional e as garantias decorrentes do mandato, ainda que não consecutivo.

Matérias relacionadas

Governo atrasa pagamento de indenização e revolta famílias de Algodões

Vítimas do rompimento da barragem de Algodões denunciam atraso em indenizações

Governo atrasa pagamento de indenização e revolta famílias de Algodões

Nova Barragem de Algodões no Piauí é incluída no PAC

O Ministério Público Federal (MPF) solicitou ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ) que conduza a ação penal contra o governador Wellington Dias. Ela deve apurar a responsabilidade pelo crime ambiental, decorrente do rompimento da Barragem de Algodões I.

Segundo MPF, o governador do Piauí foi omisso (Foto:Lucas Sousa/Portal AZ)

De acordo com o MPF, quem deve conduzir toda a ação é o Supremo Tribunal de Justiça, ainda que o crime tenha acontecido em 2009, quando Dias exercia seu segundo mandado de governador do Piauí. A posição foi apresentada em contrarrazões em agravo a recurso extraordinário proposto pelo governador.

Wellington Dias e, a então presidente da Empresa de Gestão de Recursos do Piauí (Emgerpi), Luciele Moura, respondem a ação penal pelas mortes e foram denunciados também por crime ambiental.

Segundo o MPF, eles sabiam dos defeitos da barragem bem antes do rompimento, mas não fizeram nada para resolver o problema. Os delitos apontados na ação são de dano em Unidades de Conservação e de poluição, de tornar área imprópria para a ocupação humana e de interromper o abastecimento de água de uma comunidade. Para o órgão, a omissão dos dois contribuiu de forma dolosa para a tragédia.

Em 2006, três anos antes da tragédia, Wellington Dias pediu R$ 595 mil ao Ministério da Integração para obras de manutenção da barragem e para o conserto de diversos defeitos detectados. Os reparos não foram realizados e dois anos depois, em agosto de 2008, Luciele Moura constatou infiltração, erosão e sinais evidentes de sangramento da barragem. 

Mesmo com todos os problemas detectados, a Emgerpi contratou a empresa de engenharia para realizar a manutenção em maio 2009, 21 dias antes do rompimento da barragem.

MPF quer manter no STJ processo contra Wellington Dias por rompimento de barragem (Foto:Wilson Nanaia/Portal AZ)

A tragédia

A Barragem de Algodões I rompeu em 27 de maio de 2009, causando a morte de nove pessoas. Além disso, deixou 1.047 desalojados e 953 desabrigados, com 203 casas danificadas e outras 385 destruídas. 

A enxurrada atingiu cerca de 1,15% do total da Área de Proteção Ambiental (APA) da Serra da Ibiapara, poluindo rios que cortam a unidade de conservação e destruindo a vegetação nativa e plantada nas margens. A população ficou sem água, e o desabastecimento chegou a durar dias em algumas comunidades.

Prerrogativa de foro 

O processo pelo crime ambiental foi desmembrado, para que o STJ analisasse apenas a parte relativa ao governador. Mas logo depois, no julgamento de questão de ordem, a Corte Especial do STJ reconheceu sua incompetência para examinar o caso. A conclusão foi de que a manutenção do foro depois de um hiato – no qual Wellington exerceu mandato de senador, seguido de novo mandato como governador – seria “um privilégio pessoal, não albergado pela garantia constitucional”. Os autos foram enviados para a Justiça de primeira instância, e o governador apresentou diversos recursos contra essa decisão.

Para o MPF, o agravo em recurso extraordinário proposto pelo governador não deve ser aceito, já que a peça não está corretamente fundamentada. No entanto, no mérito, o MPF é a favor da manutenção do foro no STJ para o caso. A subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo lembra que o STJ é competente para processar e julgar crimes cometidos por governadores durante o mandato e em razão das funções inerentes ao cargo, o que é justamente o caso. Segundo ela, o papel institucional da prerrogativa é de servir como instrumento para a garantia do livre exercício de cargos, funções e mandatos institucionalmente relevantes.

A subprocuradora-geral cita parecer do MPF em recurso anterior do governador, no qual a instituição concorda com a posição do recorrente. A argumentação afirma que, na análise de ação penal similar, o STF não fez restrição à prerrogativa de foro para situações em que os fatos imputados tenham se dado em mandato anterior e já terminado, quando o acusado volta a exercer o mesmo cargo. Assim, o foro se mantém, apesar do hiato, como forma de garantir a eficiência e a eficácia da prestação jurisdicional e as garantias decorrentes do mandato, ainda que não consecutivo.

Matérias relacionadas

Governo atrasa pagamento de indenização e revolta famílias de Algodões

Vítimas do rompimento da barragem de Algodões denunciam atraso em indenizações

Governo atrasa pagamento de indenização e revolta famílias de Algodões

Nova Barragem de Algodões no Piauí é incluída no PAC