1. Editorias
  2. Justiça
  3. Sindicato dos Policiais Civis ajuíza ação contra Wellington Dias por descumprimento de decisão
Publicidade

Sindicato dos Policiais Civis ajuíza ação contra Wellington Dias por descumprimento de decisão

Ação se refere ao processo de dissídio coletivo de greve do ano de 2015

O Sindicato dos Policiais Civis de Carreira do Estado do Piauí (Sinpolpi) ajuizou uma ação contra o governador Wellington Dias (PT) por não cumprimento da decisão judicial do processo de dissídio coletivo de greve do ano de 2015. O sindicato espera uma decisão judicial alegando o não cumprimento para poder entrar com uma outra ação de improbidade administrativa contra o governador.   

Wellington Dias - Foto: Lucas Sousa / Portal AZ

De acordo com o presidente do Sinpolpi, Constantino Júnior, o sindicato pediu ao judiciário a declaração do não cumprimento da decisão judicial e o encaminhamento ao Ministério Público para que possa realizar uma ação de improbidade administrativa contra o governador.

“Estamos esperando uma declaração do poder judiciário afirmando que o governador não cumpriu a decisão judicial para entramos com a ação e, mesmo reconhecendo que o governo tenha uma base parlamentar muito grande, nós já estamos preparando um pedido de Impeachment, pois acreditamos que as leis devem ser seguidas e as decisões judiciais devem ser cumpridas e ninguém está acima disso”, afirmou o presidente.  

No último dia 23 de junho o sindicato ajuizou uma petição solicitando o bloqueio das contas pessoais do governador do Estado, Wellington Dias, alegando o não cumprimento da decisão judicial do processo de dissídio coletivo de greve do ano de 2015.

Entenda o caso

Em setembro de 2019, o Tribunal de Justiça do Piauí determinou que o governador Wellington Dias (PT) cumprisse os termos do dissídio coletivo com o Sindicato dos Policiais Civis do Piauí (Sinpolpi) ainda de 2015. A decisão foi do desembargador Raimundo Nonato da Costa Alencar.

Agentes e escrivães cobraram do governo reajuste salarial de mais de 10%, além do encaminhamento, à Assembleia Legislativa, de um projeto de lei disciplinando o menor e o maior salário hoje da Polícia Civil.

“A parte principal do acordo não foi cumprida, que era dar um reajuste salarial em 2016, 2017 e 2018, como também encaminhar um projeto de lei à Assembleia Legislativa disciplinando o menor e o maior salário hoje da Polícia Civil. Nós temos hoje um problema, não só na Polícia Civil, mas em todas as policias do Brasil, relacionado à diferença salarial, que é muito grande entre o salário de delegado e o nosso salário [dos policiais]. E o requisito para entrar na Polícia Civil hoje é ter nível superior”, relatou o presidente Sindicato dos Policiais Civis do Estado, Constantino Júnior.

Constantino Júnior (com o microfone), em assembleia realizada este ano,no Sinpolpi, para tratar do dissídio coletivo (Foto: Sinpolpi)

O presidente também afirma que o governador se recursou a negociar com a categoria. “Quando nós buscamos o dissídio, o governo simplesmente recusou a discutir conosco. Nós entramos com uma execução e esse processo já tramitou. Tentamos, por volta de fevereiro do ano passado, uma reunião com a Secretaria de Administração, um acordo, e não houve”, disse.

Sem acordo, agentes e escrivães realizaram greve que durou 56 dias. “Em razão disso o governo ingressou com um outro processo de dissídio coletivo. O desembargador Alencar decretou a ilegalidade do movimento e nós suspendemos o movimento paredista”, lembrou Constantino.

Em caso de descumprimento da determinação, o chefe do executivo estadual terá de arcar com multa diária, fixada em R$ 1.000,00, até o limite de R$ 60.000,00. Wellington tem 60 dias, a partir da intimação, para “proceder com o cumprimento dos termos detalhados na petição; ou, ao menos, comprovar ter iniciado os procedimentos tendentes ao seu cumprimento”, ressaltou o relator do processo.

O Sindicato dos Policiais Civis de Carreira do Estado do Piauí (Sinpolpi) ajuizou uma ação contra o governador Wellington Dias (PT) por não cumprimento da decisão judicial do processo de dissídio coletivo de greve do ano de 2015. O sindicato espera uma decisão judicial alegando o não cumprimento para poder entrar com uma outra ação de improbidade administrativa contra o governador.   

Wellington Dias - Foto: Lucas Sousa / Portal AZ

De acordo com o presidente do Sinpolpi, Constantino Júnior, o sindicato pediu ao judiciário a declaração do não cumprimento da decisão judicial e o encaminhamento ao Ministério Público para que possa realizar uma ação de improbidade administrativa contra o governador.

“Estamos esperando uma declaração do poder judiciário afirmando que o governador não cumpriu a decisão judicial para entramos com a ação e, mesmo reconhecendo que o governo tenha uma base parlamentar muito grande, nós já estamos preparando um pedido de Impeachment, pois acreditamos que as leis devem ser seguidas e as decisões judiciais devem ser cumpridas e ninguém está acima disso”, afirmou o presidente.  

No último dia 23 de junho o sindicato ajuizou uma petição solicitando o bloqueio das contas pessoais do governador do Estado, Wellington Dias, alegando o não cumprimento da decisão judicial do processo de dissídio coletivo de greve do ano de 2015.

Entenda o caso

Em setembro de 2019, o Tribunal de Justiça do Piauí determinou que o governador Wellington Dias (PT) cumprisse os termos do dissídio coletivo com o Sindicato dos Policiais Civis do Piauí (Sinpolpi) ainda de 2015. A decisão foi do desembargador Raimundo Nonato da Costa Alencar.

Agentes e escrivães cobraram do governo reajuste salarial de mais de 10%, além do encaminhamento, à Assembleia Legislativa, de um projeto de lei disciplinando o menor e o maior salário hoje da Polícia Civil.

“A parte principal do acordo não foi cumprida, que era dar um reajuste salarial em 2016, 2017 e 2018, como também encaminhar um projeto de lei à Assembleia Legislativa disciplinando o menor e o maior salário hoje da Polícia Civil. Nós temos hoje um problema, não só na Polícia Civil, mas em todas as policias do Brasil, relacionado à diferença salarial, que é muito grande entre o salário de delegado e o nosso salário [dos policiais]. E o requisito para entrar na Polícia Civil hoje é ter nível superior”, relatou o presidente Sindicato dos Policiais Civis do Estado, Constantino Júnior.

Constantino Júnior (com o microfone), em assembleia realizada este ano,no Sinpolpi, para tratar do dissídio coletivo (Foto: Sinpolpi)

O presidente também afirma que o governador se recursou a negociar com a categoria. “Quando nós buscamos o dissídio, o governo simplesmente recusou a discutir conosco. Nós entramos com uma execução e esse processo já tramitou. Tentamos, por volta de fevereiro do ano passado, uma reunião com a Secretaria de Administração, um acordo, e não houve”, disse.

Sem acordo, agentes e escrivães realizaram greve que durou 56 dias. “Em razão disso o governo ingressou com um outro processo de dissídio coletivo. O desembargador Alencar decretou a ilegalidade do movimento e nós suspendemos o movimento paredista”, lembrou Constantino.

Em caso de descumprimento da determinação, o chefe do executivo estadual terá de arcar com multa diária, fixada em R$ 1.000,00, até o limite de R$ 60.000,00. Wellington tem 60 dias, a partir da intimação, para “proceder com o cumprimento dos termos detalhados na petição; ou, ao menos, comprovar ter iniciado os procedimentos tendentes ao seu cumprimento”, ressaltou o relator do processo.