1. Editorias
  2. Justiça
  3. OAB diz que acompanhará investigações sobre a morte de João Alberto
Publicidade

OAB diz que acompanhará investigações sobre a morte de João Alberto

João Beto foi morto no dia anterior por asfixia, segundo indica a perícia

A OAB (Ordem de Advogados do Brasil) comentou as “cenas revoltantes” da morte de João Alberto Freitas, 40 anos, conhecido como Beto pelos amigos. Ele foi espancado por 2 seguranças em uma unidade do Carrefour em Porto Alegre. A organização afirmou que “acompanhará todo o processo de investigação para que (…) possam os responsáveis pela morte do João Alberto responder pelos seus atos, na forma da lei.”

OAB diz que acompanhará investigações sobre a morte de João Alberto (Foto: Sérgio Lima / Poder 360)

João Beto foi morto no dia anterior por asfixia, segundo indica a perícia.

A OAB afirma que a morte de João Beto “lembra o que ocorreu com George Floyd nos Estados Unidos, e que acabou desencadeando uma onda de protestos em todos os cantos do mundo”. Floyd foi asfixiado por 1 policial que, com o joelho, prendia seu pescoço contra o chão.

A morte de Floyd deu início aos protestos Black Lives Matter (“Vidas Negras Importam”, em português). As manifestações antirracistas e contra violência policial repercutiram em diversos países.

No Brasil, a morte de João Beto suscitou manifestações de diversas autoridades e organizações, bem como protestos e boicote de internautas. O vice-presidente Hamilton Mourão, ao comentar o caso, disse que “não existe racismo no Brasil” –o que contraria a declaração da delegada responsável.

A OAB (Ordem de Advogados do Brasil) comentou as “cenas revoltantes” da morte de João Alberto Freitas, 40 anos, conhecido como Beto pelos amigos. Ele foi espancado por 2 seguranças em uma unidade do Carrefour em Porto Alegre. A organização afirmou que “acompanhará todo o processo de investigação para que (…) possam os responsáveis pela morte do João Alberto responder pelos seus atos, na forma da lei.”

OAB diz que acompanhará investigações sobre a morte de João Alberto (Foto: Sérgio Lima / Poder 360)

João Beto foi morto no dia anterior por asfixia, segundo indica a perícia.

A OAB afirma que a morte de João Beto “lembra o que ocorreu com George Floyd nos Estados Unidos, e que acabou desencadeando uma onda de protestos em todos os cantos do mundo”. Floyd foi asfixiado por 1 policial que, com o joelho, prendia seu pescoço contra o chão.

A morte de Floyd deu início aos protestos Black Lives Matter (“Vidas Negras Importam”, em português). As manifestações antirracistas e contra violência policial repercutiram em diversos países.

No Brasil, a morte de João Beto suscitou manifestações de diversas autoridades e organizações, bem como protestos e boicote de internautas. O vice-presidente Hamilton Mourão, ao comentar o caso, disse que “não existe racismo no Brasil” –o que contraria a declaração da delegada responsável.