1. Editorias
  2. Municípios
  3. Ex-presidiário é morto com tiro na cabeça em Campo Maior
Publicidade

Ex-presidiário é morto com tiro na cabeça em Campo Maior

Caso ocorreu nesta segunda-feira (15) em uma ponte no município

Francisco das Chagas Rodrigues Oliveira, de 26 anos, foi assassinado com um tiro de espingarda na cabeça na tarde desta segunda-feira (15) no município de Campo Maior. O caso é o primeiro homicídio na cidade, segundo a Polícia Militar.

Ocorrência foi atendida pelo 15º Batalhão de Campo Maior (Foto: reprodução internet)

Ao Portal AZ, o major Etevaldo Silva, comandante do 15º Batalhão da PM declarou que a vítima estava passando em uma ponte no Rio Surubim, quando um suspeito teria realizado o disparo.

“Tivemos o primeiro homicídio do ano em Campo Maior. O crime aconteceu por volta das 11h30, na barragem do Rio Surubim. Ele era conhecido como "Peba", na região”, relatou.

Conforme o major Etevaldo, a vítima era um ex-presidiário e estava em liberdade há três meses. "Ele cumpriu pena no sistema prisional, acusado de um homicídio cometido em 2016", disse.

O Instituto de Medicina Legal (IML) foi acionado para remover o corpo. A Polícia Civil vai investigar o caso.

Francisco das Chagas Rodrigues Oliveira, de 26 anos, foi assassinado com um tiro de espingarda na cabeça na tarde desta segunda-feira (15) no município de Campo Maior. O caso é o primeiro homicídio na cidade, segundo a Polícia Militar.

Ocorrência foi atendida pelo 15º Batalhão de Campo Maior (Foto: reprodução internet)

Ao Portal AZ, o major Etevaldo Silva, comandante do 15º Batalhão da PM declarou que a vítima estava passando em uma ponte no Rio Surubim, quando um suspeito teria realizado o disparo.

“Tivemos o primeiro homicídio do ano em Campo Maior. O crime aconteceu por volta das 11h30, na barragem do Rio Surubim. Ele era conhecido como "Peba", na região”, relatou.

Conforme o major Etevaldo, a vítima era um ex-presidiário e estava em liberdade há três meses. "Ele cumpriu pena no sistema prisional, acusado de um homicídio cometido em 2016", disse.

O Instituto de Medicina Legal (IML) foi acionado para remover o corpo. A Polícia Civil vai investigar o caso.