1. Editorias
  2. Política
  3. Salles sinaliza que desistiu de hotel butique no Museu do Meio Ambiente
Publicidade

Salles sinaliza que desistiu de hotel butique no Museu do Meio Ambiente

Salles comentou uma reportagem sobre o tema dando a entender que não vai levar a iniciativa adiante

O ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) deu sinais de que vai desistir da ideia de transformar o Museu do Meio Ambiente, no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro (RJ), em um hotel butique.

Salles sinaliza que desistiu de hotel butique no Museu do Meio Ambiente (Foto:reprodução)

Em publicação em sua conta no Twitter nessa 3ª feira (8.dez.2020), Salles comentou uma reportagem sobre o tema dando a entender que não vai levar a iniciativa adiante.

“A ideia é realizar um estudo para eventual concessão do espaço pouco utilizado do Museu convertendo num hotel butique, gerando empregos, recursos e investimentos para recuperação do Jardim Botânico como um todo. Contudo, se preferirem deixar tudo como está… Beleza”, escreveu.

O prédio que Salles desejava conceder à iniciativa privada, datado do século 19, é administrado atualmente pelo próprio Jardim Botânico, que é ligado ao Ministério do Meio Ambiente.

Na 2ª feira (6.dez), a pasta chegou a confirmar, em nota (íntegra – 835 KB), que o projeto de concessão do espaço estava em “fase de análise e estudos”.

“A administração do Jardim Botânico do Rio de Janeiro tem buscado soluções para a gestão eficiente dos seus espaços, alguns muito onerosos e subutilizados. A participação da iniciativa privada, especialmente no corredor cultural, tem muito potencial”, afirmou o ministério.

Na mesma data, ativistas lançaram abaixo-assinado (íntegra – 443 KB) contra o projeto. Até as 8h desta 4ª (9.dez), 33.531 assinaturas foram registradas de forma eletrônica.

“Não podemos permitir que este espaço público seja oferecido à iniciativa privada e transformado em lazer para poucos. O Museu do Meio Ambiente é de todos e assim deve permanecer”, diz o texto.

O Poder360 perguntou ao Ministério do Meio Ambiente se a mensagem publicada por Salles indica a suspensão da iniciativa de concessão do museu à iniciativa privada. Até a publicação desta reportagem, não houve resposta.

O ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) deu sinais de que vai desistir da ideia de transformar o Museu do Meio Ambiente, no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro (RJ), em um hotel butique.

Salles sinaliza que desistiu de hotel butique no Museu do Meio Ambiente (Foto:reprodução)

Em publicação em sua conta no Twitter nessa 3ª feira (8.dez.2020), Salles comentou uma reportagem sobre o tema dando a entender que não vai levar a iniciativa adiante.

“A ideia é realizar um estudo para eventual concessão do espaço pouco utilizado do Museu convertendo num hotel butique, gerando empregos, recursos e investimentos para recuperação do Jardim Botânico como um todo. Contudo, se preferirem deixar tudo como está… Beleza”, escreveu.

O prédio que Salles desejava conceder à iniciativa privada, datado do século 19, é administrado atualmente pelo próprio Jardim Botânico, que é ligado ao Ministério do Meio Ambiente.

Na 2ª feira (6.dez), a pasta chegou a confirmar, em nota (íntegra – 835 KB), que o projeto de concessão do espaço estava em “fase de análise e estudos”.

“A administração do Jardim Botânico do Rio de Janeiro tem buscado soluções para a gestão eficiente dos seus espaços, alguns muito onerosos e subutilizados. A participação da iniciativa privada, especialmente no corredor cultural, tem muito potencial”, afirmou o ministério.

Na mesma data, ativistas lançaram abaixo-assinado (íntegra – 443 KB) contra o projeto. Até as 8h desta 4ª (9.dez), 33.531 assinaturas foram registradas de forma eletrônica.

“Não podemos permitir que este espaço público seja oferecido à iniciativa privada e transformado em lazer para poucos. O Museu do Meio Ambiente é de todos e assim deve permanecer”, diz o texto.

O Poder360 perguntou ao Ministério do Meio Ambiente se a mensagem publicada por Salles indica a suspensão da iniciativa de concessão do museu à iniciativa privada. Até a publicação desta reportagem, não houve resposta.