1. Editorias
  2. Política
  3. Cresce número de prefeitos e vereadores indígenas no Brasil
Publicidade

Cresce número de prefeitos e vereadores indígenas no Brasil

Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral, foram eleitos 197 indígenas em 2020

O número de indígenas eleitos prefeitos e vereadores cresceu nas eleições municipais deste ano. Os prefeitos indígenas passaram de 6 para 8 na comparação com as eleições de 2016. Já os vereadores aumentaram de 168 para 179. Contando com os vice-prefeitos, 197 indígenas saíram vitoriosos nas eleições do último domingo, contra 184 em 2016.

Cresce número de prefeitos e vereadores indígenas (Foto: Sérgio Lima / Poder 360)

Os resultados foram comemorados pela deputada Joenia Wapichana (Rede-RR), a única representante indígena no Congresso Nacional. No entanto, ela afirma que ainda são necessárias mudanças para melhorar a representação indígena na política. Ela reivindica maior investimento do fundo partidário e eleitoral e melhor distribuição de urnas eletrônicas em comunidades indígenas.

Joenia Wapichana explica que as comunidades indígenas têm diferentes realidades se comparadas a centros urbanos. “Temos dificuldade de acesso a locais de urna, que ainda precisam estar mais próximas das comunidades indígenas”, lamentou.

A deputada também propõe que o fundo partidário seja utilizado para formação política de indígenas, especialmente de mulheres. “Acredito numa renovação e no verdadeiro sentido da política que venha a trazer benefício para o povo brasileiro, e para os indígenas também. Temos, sim, esse direito de fazer parte da política brasileira, tanto no votar e no ser votado.”

Preconceito
Na avaliação da parlamentar, a candidatura indígena ainda sofre preconceito. “Dentro das próprias comunidades, consideram que voto indígena é fácil de ser conquistado com assistencialismo e compra de voto, o que é vergonhoso”, indigna-se.

Joenia Wapichana também aponta para falta de acesso aos meios de comunicação, como internet e televisão, o que dificulta o combate a notícias falsas. “É preciso levar às comunidades informação sobre quem está realmente fazendo uma política limpa, digna e combatendo a corrupção”, afirmou.

A parlamentar ressalta que a representação indígena é necessária em todas as instâncias, no Executivo, no Legislativo, no Judiciário. Para a deputada, a representação de povos indígenas em diferentes cargos deve atender demandas por políticas públicas diferenciadas para garantir o acesso a direitos sociais, incluindo educação, saúde e proteção ao meio ambiente.

Joenia Wapichana explica que as demandas de povos indígenas se fazem mais urgentes por causa crise sanitária e econômica da pandemia de coronavírus. “Os povos indígenas têm suas vulnerabilidades e precisam ser incluídos em planos de enfrentamento da covid-19”, alertou.

Mais candidatos

Na análise da parlamentar, o aumento de prefeitos e vereadores indígenas se explica pelo crescimento do número de candidaturas indígenas, que subiu de 1.745, nas eleições de 2016, para 2.216, neste ano.

A tendência foi observada em todos os cargos. Os candidatos a prefeito passaram de 30 para 40; vice-prefeitos, de 62 para 76; e vereadores, de 1.623 para 2.100.

“Isso demonstra que os povos indígenas estão mais conscientes sobre seus direitos civis e políticos, e principalmente o direito à cidadania”, avalia Joenia Wapichana. “Isso aumenta cada vez mais o protagonismo indígena, mas acima de tudo, a vontade de fazer parte dos processos de tomada de decisão em várias instâncias, inclusive as municipais.”

Os partidos que mais elegeram candidatos indígenas foram o PT (24 eleitos), MDB (23), PSD (19), PP (15) e DEM (14). Todos esses partidos aumentaram o número de indígenas eleitos, na comparação com as eleições de 2016.

O crescimento de indígenas eleitos também foi maior em Estados que já tinham maior número de representantes eleitos. No Amazonas, os indígenas eleitos passaram de 30 para 38 neste ano; na Paraíba, de 13 para 18; em Roraima, de 13 para 15. No entanto, a representação indígena diminuiu em outros estados, incluindo Pernambuco (de 18 para 14), Bahia (de 14 para 9) e Acre (9 para 6).

*Com informações da Agência Câmara de Notícias.

O número de indígenas eleitos prefeitos e vereadores cresceu nas eleições municipais deste ano. Os prefeitos indígenas passaram de 6 para 8 na comparação com as eleições de 2016. Já os vereadores aumentaram de 168 para 179. Contando com os vice-prefeitos, 197 indígenas saíram vitoriosos nas eleições do último domingo, contra 184 em 2016.

Cresce número de prefeitos e vereadores indígenas (Foto: Sérgio Lima / Poder 360)

Os resultados foram comemorados pela deputada Joenia Wapichana (Rede-RR), a única representante indígena no Congresso Nacional. No entanto, ela afirma que ainda são necessárias mudanças para melhorar a representação indígena na política. Ela reivindica maior investimento do fundo partidário e eleitoral e melhor distribuição de urnas eletrônicas em comunidades indígenas.

Joenia Wapichana explica que as comunidades indígenas têm diferentes realidades se comparadas a centros urbanos. “Temos dificuldade de acesso a locais de urna, que ainda precisam estar mais próximas das comunidades indígenas”, lamentou.

A deputada também propõe que o fundo partidário seja utilizado para formação política de indígenas, especialmente de mulheres. “Acredito numa renovação e no verdadeiro sentido da política que venha a trazer benefício para o povo brasileiro, e para os indígenas também. Temos, sim, esse direito de fazer parte da política brasileira, tanto no votar e no ser votado.”

Preconceito
Na avaliação da parlamentar, a candidatura indígena ainda sofre preconceito. “Dentro das próprias comunidades, consideram que voto indígena é fácil de ser conquistado com assistencialismo e compra de voto, o que é vergonhoso”, indigna-se.

Joenia Wapichana também aponta para falta de acesso aos meios de comunicação, como internet e televisão, o que dificulta o combate a notícias falsas. “É preciso levar às comunidades informação sobre quem está realmente fazendo uma política limpa, digna e combatendo a corrupção”, afirmou.

A parlamentar ressalta que a representação indígena é necessária em todas as instâncias, no Executivo, no Legislativo, no Judiciário. Para a deputada, a representação de povos indígenas em diferentes cargos deve atender demandas por políticas públicas diferenciadas para garantir o acesso a direitos sociais, incluindo educação, saúde e proteção ao meio ambiente.

Joenia Wapichana explica que as demandas de povos indígenas se fazem mais urgentes por causa crise sanitária e econômica da pandemia de coronavírus. “Os povos indígenas têm suas vulnerabilidades e precisam ser incluídos em planos de enfrentamento da covid-19”, alertou.

Mais candidatos

Na análise da parlamentar, o aumento de prefeitos e vereadores indígenas se explica pelo crescimento do número de candidaturas indígenas, que subiu de 1.745, nas eleições de 2016, para 2.216, neste ano.

A tendência foi observada em todos os cargos. Os candidatos a prefeito passaram de 30 para 40; vice-prefeitos, de 62 para 76; e vereadores, de 1.623 para 2.100.

“Isso demonstra que os povos indígenas estão mais conscientes sobre seus direitos civis e políticos, e principalmente o direito à cidadania”, avalia Joenia Wapichana. “Isso aumenta cada vez mais o protagonismo indígena, mas acima de tudo, a vontade de fazer parte dos processos de tomada de decisão em várias instâncias, inclusive as municipais.”

Os partidos que mais elegeram candidatos indígenas foram o PT (24 eleitos), MDB (23), PSD (19), PP (15) e DEM (14). Todos esses partidos aumentaram o número de indígenas eleitos, na comparação com as eleições de 2016.

O crescimento de indígenas eleitos também foi maior em Estados que já tinham maior número de representantes eleitos. No Amazonas, os indígenas eleitos passaram de 30 para 38 neste ano; na Paraíba, de 13 para 18; em Roraima, de 13 para 15. No entanto, a representação indígena diminuiu em outros estados, incluindo Pernambuco (de 18 para 14), Bahia (de 14 para 9) e Acre (9 para 6).

*Com informações da Agência Câmara de Notícias.